Este blog, criado em janeiro de 2007, é dedicado à minha filha Flavia e sua luta pela vida. Flavia vive em coma vigil desde que, em 06 de janeiro de 1998, aos 10 anos de idade, teve seus cabelos sugados pelo sistema de sucção da piscina do prédio onde morávamos em Moema - São Paulo. O objetivo deste blog é alertar para o perigo existente nos ralos de piscinas e ser um meio de luta constante e incansável por uma Lei Federal a fim de tornar mais seguras as piscinas do Brasil.

Acidentes por sucção dos ralos de piscinas, acontecem por negligência do local

- 22 de julho de 2017
Rachel e Cynthia, mãe e filha, em um momento feliz

"Se soubesse o que aconteceria, jamais eu a deixaria entrar na piscina. Fui levar minha filha para se divertir e a vi morrer".
(Cynthia, mãe de Rachel, morta no domingo dia 16/07, ao ter os cabelos sugados na piscina do hotel

Tenho visto nos noticiários sobre acidentes por sucção dos ralos de piscinas que os locais, numa tentativa se furtar às suas responsabilidades, acabam, de uma forma até cruel, responsabilizando os pais pelo acidente ocorrido, alegando esses locais que os pais não teriam exercido a necessária vigilância para com seus filhos. Ora, os pais não têm como saber se as piscinas onde seus filhos nadam estão ou não funcionando dentro ou fora dos padrões de segurança. E apesar deste tipo de acidente ser mais comum do que se pensa, muitos ainda não conhecem esse risco.

"Para o advogado do estabelecimento, Luiz Eduardo Righetto, o caso foi uma fatalidade. "O hotel está dentro das regras, se solidariza com os familiares da vítima, lamenta o ocorrido, mas não houve negligência. Estamos dentro das normas, por isso não é possível nos atribuir responsabilidade", disse."

O advogado do estabelecimento obviamente está equivocado. Como estão dentro das normas se o ralo estava sem a tampa antiaprisionamento?! Não sabiam? Pois procurem e informar. Proprietários e administradores de piscinas têm por obrigação conhecer e usar as normas de segurança em suas piscinas. Em assim não sendo não há que se falar em responsabilidade dos pais e esses locais terão sim que ser responsabilizados por esses acidentes.

A matéria completa pode ser lida neste link do G1

O fato é que, em se tratando de segurança nas piscinas, existe negligência não só dos locais onde as piscinas estão instaladas, como dos políticos que engavetam projetos de Lei que se aprovadas e colocas em vigor, salvariam muitas vidas. É o caso do Projeto de Lei desde 2014 está engavetado no Senado em Brasília.

O que me dá esperança é que a ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas está prestes a terminar os trabalhos de revisão e atualização de suas normas. no que se refere a segurança nas piscinas. E aí bastaria uma simples folha de papel escrita por um político de boa vontade que dissesse: "As piscinas do Brasil, deverão seguir rigorosamente as normas de segurança mencionadas na NBR 10.339 da ABNT".

Direcionar a segurança das piscinas para as normas da ABNT - NBR 10.339, seria o mais correto e simples a fazer.


Piscinas podem ser armadilhas submersas

- 20 de julho de 2017

Rachel Rodrigues Novaes, 7 anos,
a vítima mais recente da sucção dos ralos de piscinas

Esta semana a mídia voltou a mencionar a falta de segurança nas piscinas por causa do afogamento e morte da menina Rachel Rodrigues Novaes, 7 anos, na piscina de um Hotel de um Balneário em Camboriú, Santa Catarina, no domingo dia 16 de Julho. Rachel foi a vítima mais recente da sucção dos ralos de piscinas que há anos, vem causando tragédias, vitimando principalmente crianças. As meninas, são sugadas quase sempre pelos cabelos, os meninos por qualquer parte do corpo. Há até evisceração (sucção dos intestinos) A maioria desses acidentes são fatais.

Há quem, cruelmente,  ainda ouse falar em culpa dos pais, alegando falta de vigilância aos filhos. Detalhe, a piscina infantil, onde Rachel se afogou tinha 60 cm de profundidade. (!) CULPADOS, sim, mas não os pais, e sim os proprietários e administradores de piscinas assim como as autoridades que têm feito "vistas grossas" para as tragédias envolvendo principalmente crianças, que sugadas pela extraordinária sucção dos ralos de piscinas, se afogam e morrem, ou como no caso de minha filha Flavia, passam a viver em coma pelo resto da vida. Sugada pelos cabelos na piscina do condomínio onde morávamos aqui em São Paulo, Flavia vive em coma há  mais de 19 anos.

Desde 2007 quando resolvi criar este blog,  usando a tragédia de minha filha,  tento sensibilizar as autoridades para a necessidade de uma Lei Federal para Segurança nas Piscinas. Além de viagens, fiz inúmeros telefonemas para Brasília, sem nunca ter recebido mais do que promessas vazias.

Em 2014, quando somente no mês de janeiro daquele ano, três crianças foram vítimas do mesmo tipo de acidente que matou Rachel e deixou Flavia em coma, o Programa Fantástico da TV Globo entrevistou algumas mães de vítimas, eu entre elas, além do deputado Darcisio Perondi que prometeu à Repórter Sonia Bridi que até Março de 2014 a Lei Federal de Segurança nas Piscinas seria aprovada e passaria a vigorar em todo o Brasil. Infelizmente, , foi mais uma promessa  que nunca se cumpriu.

Mas há uma luz no fim do túnel.  A boa notícia é que a ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, que tinha suas normas para segurança nas piscinas  desatualizadas em pelo menos 30 anos (sim, 30 anos), vem fazendo um trabalho de atualização  dessas normas, mencionando todos os dispositivos  anti aprisionamento que se instalados em uma piscina,  vão evitar a sucção dos ralos assim como cercas de segurança e portões auto travantes vão evitar a queda e consequente afogamento de crianças pequenas.

Lamentavelmente, em nosso país tudo funciona de forma muito lenta e com muita burocracia. Reuniões, discussões e necessidade de consenso são necessários até que se possa disponibilizar no site da ABNT, as normas de segurança das piscinas atualizadas. Enquanto isso não acontece, as piscinas continuam a ser sim,  armadilhas submersas onde o lazer das crianças vira tragédia afetando famílias que passam a viver enlutadas.

Tornar uma piscina segura não é algo que custe caro, pelo contrário. São dispositivos, a um custo bastante acessível,  simples e de fácil instalação. (Não precisa quebrar nada na piscina)  No Brasil, onde temos ao redor de 2 milhões de piscinas, apenas algo em torno 70 mil  podem ser consideradas seguras, porque têm os dispositivos de segurança instalados, mesmo sem a obrigatoriedade  imposta por uma Lei. Se mais proprietários e administradores de piscinas tivessem essa atitude, certamente, não veríamos esses devastadores acidentes nas piscinas do Brasil. Falta Lei, falta conscientização, falta atitude!







Sucção do ralo da piscina causa morte de menina de sete anos em Santa Catarina

- 17 de julho de 2017


Uma menina de sete anos, morreu neste domingo dia 16/07, quando ficou presa pelos cabelos aos sistema de sucção do ralo da piscina de um hotel em Camboriú, Santa Catarina.

"A Polícia Civil investiga a morte de uma menina de sete anos na piscina de um hotel em Balneário Camboriú, no Litoral Norte catarinense, no domingo (16). O cabelo de Rachel Rodrigues Novaes Soares ficou preso no ralo. O local não possuía sistema de segurança para desativar a sucção...

......

O afogamento aconteceu na piscina infantil de 60 centímetros de profundidade.
O cabelo da menina ficou preso na entrada de aspiração do filtro da piscina, que fica na área de lazer do Sanfelice Hotel, no Centro da cidade.

Rachel estava na cidade com a mãe. A família, de Guarujá (SP), passaria férias na cidade catarinense.

.....Segundo a Polícia Civil, o responsável pelo hotel pode responder por homicídio culposo, pois não havia o sistema de sucção previsto em lei.

.......
Testemunhas contaram aos bombeiros que a menina ficou debaixo d'água por cerca de seis minutos, do momento em que o cabelo ficou preso até a chegada de outros hóspedes que conseguiram resgatá-la.
Um guarda vidas civil que passava pelo local tentou fazer a reanimação, mas Rachel teve parada cardiorespiratória e não resistiu....."

Leia o texto completo neste link do G1

Se a piscina onde Rachel se afogou e morreu tivesse o sistema anti aprisionamento  instalado, certamente ela não teria sofrido esse acidente que lhe custou a vida. E por favor, não culpem os pais. Quem não deixaria uma criança de sete anos nadar em um piscina de apenas 60 centímetros de profundidade?!

É tão triste ver que crianças continuam morrendo por falta de segurança nas piscinas do Brasil, sem que esse assunto seja levado a sério. Promessas são feitas, o tempo passa e as tragédias se repetem. Até quando senhores?!


Sucção de ralo de piscina suga intestinos de adolescente

- 8 de junho de 2017
Crédito da Imagem: Jorge Amaral/Global Imagens

"Um adolescente de 14 anos encontra-se em estado grave depois de um acidente que resultou de uma brincadeira durante uma aula de natação em Carpesa, na zona de Valência, Espanha.
......
......A situação provocou graves danos físicos ao jovem. Sofreu rasgos nos intestinos e uma parte foi mesmo arrancada. Foi operado de urgência no Hospital La Fe, em Valência."

O texto abaixo é de minha autoria.

EVISCERAÇAO OU PROLAPSO RETAL

Muitas vezes crianças e adolescentes por brincadeira, sentam-se sobre o ralo da piscina, correndo um imenso risco de sofrerem evisceração dos intestinos, um acidente que tem consequências gravíssimas, podendo levar a pessoa à morte.

Uma piscina segura tem que ter uma tampa ante aprisionamento afixada ao ralo por parafusos, só podendo ser removida com ferramentas adequadas.

Tenho esperança de que em um tempo não muito distante as piscinas possam ser consideradas locais onde a segurança dos usuários seja considerada prioridade absoluta.

O acidente aqui mencionado  ocorreu na Espanha, mas poderia ter sido no Brasil ou em qualquer outro lugar do mundo. Somos todos irmãos e a segurança nas piscinas é uma causa de todos nós.

Noticia completa  deste acidente que causou a evisceração do adolescente pode ser lida  AQUI


Dia das Mães, maio de 2017. Carta para minha filha em coma

- 14 de maio de 2017
                                       
Sobre o dom de voar

Flavia, filha querida,

Hoje é dia  das mães, e como  todos os anos, desde que você passou a viver em coma, te escrevo uma carta. E hoje pra te contar que tenho acordado todos os dias com a forte lembrança do sonho recorrente que há anos tenho com você.De mãos dadas, nós duas voamos por sobre os lugares de sua infância.

Qual seria o significado deste sonho recorrente filha? Tenho pra mim que sonhar  repetidas vezes voando com você, de mãos dadas, pode significar infinitas possibilidades. Por exemplo, aproximar ainda mais, se isto é possível, mãe e filha. Ou talvez, porque no mundo dos sonhos, tudo seja possível, e eu tenha a oportunidade de voltar a ouvir sua voz. Ah! Como eu gostaria de voltar a ouvir sua voz, filha. É minha maior saudade, desde o dia que você passou a viver em coma. Saudade de sua voz. Muita. Ou quem sabe filha, este sonho recorrente seja para que voando com você eu consiga e mantenha, a leveza necessária para que aqui na terra eu possa me tornar uma pessoa melhor.

Entre tantas coisas bonitas que aprendi com você, obrigada filha, por me ensinar a voar. E obrigada por sempre  voar comigo.


Dia Internacional da Mulher. Flavia ganhou presente!

- 8 de março de 2017
A profissional Roseli, da empresa Depilaser, em procedimento de depilação a laser em Flavia.

Flavia está com 29 anos, e como toda mulher, precisa cuidar da aparência pessoal. Cuidar da aparência, além de melhorar a auto estima e é um carinho que fazemos a nós mesmas. Procuro proporcionar à Flavia além de meu carinho de mãe, os mesmos carinhos que ela faria a si própria, estivesse ela em condições de viver plenamente a sua juventude, coisa que esse terrível acidente a impede de viver.

Quando descemos para o jardim do prédio com Flavia, dependendo do tempo, ela é vestida com um short, uma sainha ou um vestido, e nesse caso, obviamente as pernas ficam à mostra. E mulher com pelos nas pernas não é nada bonito. Uma vez por mês, eu mesma depilava Flavia com cera fria, mas o processo não é exatamente indolor e tinha o inconveniente de precisar ser repetido mensalmente.

Na tentativa de diminuir o desconforto que as depilações mensais causavam em Flavia, comecei a pesquisar locais que fazem Depilação a laser e cheguei à Depilaser, uma empresa que há 15 anos, tem instalações dentro do Shopping Ibirapuera. O procedimento da Clínica foi extremamente cuidadoso. Foi solicitado que eu obtivesse a autorização do neurologista de Flavia, o que eu, prontamente providenciei. O médico de Flavia não viu qualquer impedimento para o procedimento, e o e-mail dele foi por mim enviado à Depilaser. Como mãe e responsável por Flavia, assinei todos os documentos que me foram exigidos pela clínica, o que para mim demonstra o extremo zelo e cuidado com a Depilsaser trabalha.  Foram vários dias de conversa com a Gerente Milene, até que a depilação foi marcada para hoje, coincidentemente, Dia Internacional da Mulher.

O procedimento exige equipamentos pesados e de difícil transporte. Mas tudo foi transportado até nossa casa pela Depilaser com a maior boa vontade. E depois de instalados os equipamentos no quarto de Flavia, a fisioterapeuta Rose começou o procedimento. Eu estava um tanto quanto tensa, porque uma amiga havia me dito que depilação a laser  dói  e tive receio de que Flavia reagisse mal, já que mesmo em coma vigil, nela estão presentes os estímulos dolorosos.

Conforme a profissional da Depilaser foi procedendo a depilação em Flavia, fui me acalmando. A reação de Flavia foi mínima, bem menor do que quando eu a depilava com cera fria. Confesso que fiquei positivamente surpresa, porque tudo transcorreu de forma absolutamente tranquila.

E ao final, quando fui fazer o acerto financeiro com a Clínica, a surpresa maior: O tratamento completo de depilação a laser em Flavia, incluindo a hora da profisisonal e o transporte dos pesados equipamentos necessários ao procedimento, foi oferecido gratuitamente à Flavia, pelo proprietário da Depilaser, Sr.Gilberto Barral, a quem deixo aqui publicamente os meus agradecimentos em meu nome e em nome de Flavia.

Milene, Roseli e Sr.Gilberto. Muito obrigada!

Detalhe: O Sr.Gilberto, proprietário da Depilaser, nem me conhece pessoalmente.

Desejo a todas mulheres, um feliz Dia Internacional da Mulher.

Menina de 4 anos tem intestinos sugados em banheira....

- 2 de março de 2017
Isabella Floyd, 4 anos
Admiral Hotel, Bulgária

O acidente aconteceu quando a criança estava na banheira com sua mãe. Isabella, 4 anos, teve os intestinos sugados pela sucção do filtro de água da banheira. A criança está em estado grave.


Sucção nas piscinas, morte ou sequelas graves

- 11 de fevereiro de 2017
Imagem retirada do site: Fundacion Santi Rivera - Colômbia

Simulação: a criança é sugada pelos cabelos e se afoga.
(foi o que ocorreu com Flavia)
Imagem: Sodramar
A grelha ou tampa antiaprisionamento evita a sucção do ralo.

Nestas imagens pode-se ver o estrago que faz a sucção dos ralos de piscinas. Na primeira imagem foram sugadas partes do corpo humano, o que, com alguma sorte, a pessoa consegue sobreviver. Já quando são os cabelos da vítima a serem sugados, escapar da morte é quase impossível. Minha filha Flavia, teve os cabelos sugados, escapou da morte mas não do afogamento e do estado de coma vigil em que se encontra há mais de 19 anos. Diariamante, convivo com a dor da perda. Flavia perdeu parte da infância, a adolescência, não pode seguir seus estudos, nunca vai namorar, casar ou me dar netos. Uma perda diária, uma dor sem consolo. 

Nao sei se por uma questão de sobrevivência emocional, acredito que um certo consôlo  me vem do fato de que acredito  - ou quero acreditar - que se minha filha  não morreu é porque Flavia  tem como missão,  alertar e conscientizar outras pessoas para esse perigo submerso que existe em muitas piscinas do Brasil. A sucção dos ralos, que pode matar ou deixar uma pessoa vivendo para sempre em coma.

Escrever e manter este blog, assim como a página de Flavia no Facebook,  é um tributo que faço não só à Flavia, mas também às crianças  Virgínia Baker, Abigail Taylor, Santiago Rivera, Luiza Santos, Gabriel Postenaro João Paulo, Mariana Oliveira, Naisla Cestari,  Sofía El-Khroury... e muitas outras crianças que tiveram a infância interrompida por um tipo de acidente que só ocorre por falta de segurança nas piscinas, ou seja, por negligência.

Que a morte dessas crianças e o estado de coma de minha filha possa servir de alerta para que outras crianças possam nadar e brincar em piscinas que respeitem o direito do usuário de nadar em uma piscina com segurança!

Segurança nas piscinas, esta é uma causa de todos nós!

Um abraço a todos e até o próximo post.

Segurança na piscina: Cerca de proteção e portão auto travante

- 22 de janeiro de 2017
Foto retirada do site da empresa Sodramar

Recebo alguns e-mails me solicitando onde adquirir o portão auto travante ou somente a trava para o portão já existente na piscina. Ambos os produtos podem ser aquiridos na empresa Sodramar, no link acima.~

Veja na imagem que a trava de segurança é colocada ultrapassando a altura do portão, de forma que uma criança pequena não consiga abrir. 

A cerca  e o portão autotravante são barreiras de proteção que evitam  o acesso de crianças pequenas à piscina, em um momento de distração dos pais ou de quem estiver responsável pela criança.

Cuide da segurança de sua piscina. Evite acidentes.


Sucção dos ralos de piscinas, o perigo continua.

- 18 de janeiro de 2017
Foto retirada do  G1

"Um menino de 12 anos ficou machucado nas costas depois de ter ficado preso na piscina de um clube de Biritiba-Mirim. O pai do menino disse que ele foi sugado pelo dispositivo de limpeza e quase se afogou. Ele procurou a polícia nesta semana e registrou um boletim de ocorrência por lesão corporal. O advogado do Clube Vale Encantado, Alexandre Andrade, disse que todas as despesas médicas foram pagas e que o clube deu o apoio e suporte para a família.

Reginaldo Alves de Araújo contou que estava com a família passando o dia no clube no último dia 9. Ele disse....

Continue lendo no G1


O perigo continua. Infelizmente.

Flavia, aniversário e silêncio

- 16 de dezembro de 2016

Para Flavia

Flavia,  hoje completa 29 anos, 19 dos quais vivendo em coma, desde que teve seus cabelos sugados por um ralo de piscina que funcionava fora dos padrões de segurança. Flavia vive em silêncio, mas de alguma forma o seu silêncio GRITA para alertar outras pessoas para o perigo dos ralos de piscinas. 

E mesmo em silêncio, Flavia me ensina e me dá a oportunidade do exercício diário do amor. Ao longo desses 19 anos, em coma, Flavia me ensina a ser uma pessoa melhor. E como na música TEMPO de Caetano Veloso, " ...de modo que meu espirito ganhe um brilho definido... e eu espalhe benefícios..."

Menina de nove anos morre afogada após ter cabelo sugado em piscina

- 19 de novembro de 2016
Foto retirada deste link: Banda B

"Uma menina de nacionalidade argentina, de nove anos, morreu afogada no parque aquático Acquamania, em Foz do Iguaçu, no Oeste do Paraná, na tarde desta sexta-feira (18). Carola Uma Berno Varela passeava no local com a família no momento da tragédia.

Segundo o médico do Siate e coordenador do Samu, Mauro Motta Martins, a criança havia descido de um tobogã e ficou com o cabelo preso em um sugador de aspiração da piscina. A informação foi repassada pelo morador que encontrou a criança e prestou os primeiros socorros à vítima.

A pequena chegou a ser encaminhada ao hospital, mas morreu por volta das 20h em consequência do afogamento. Ainda de acordo com Mauro, o pai e a mãe, grávida de oito meses, não falavam português e, durante os primeiros socorros a filha, não tinham compreendido a gravidade da situação.

Sobre o caso, o parque aquático disse, em nota, que “está prestando toda a assistência e apoio necessários à família neste momento difícil”.

Matéria copiada da Banda B

As tragédias com a sucçao dos ralos de piscinas continuam a acontecer sem que tenhamos normas da ABNT atualizadas nem uma LEI Federal que obrigue as piscinas a terem instalados dispositivos de segurança que evitariam esse tipo de acidente. Quem tem o poder de mudar essa realidade continua numa inércia vergonhosa. Vergonhosa senhores! 


Menino de 2 anos morre afogado em piscina de residência

- 18 de novembro de 2016
Isaac - 2 anos
No dia 15 deste mês de novembro, o menino Isaac de quase dois anos, se afogou na piscina de sua residência. Desconheço em que circunstâncias ocorreu o  acidente, mas o fato é que Isaac é mais uma vitima da falta de segurança nas piscinas do Brasil. Sem Lei e sem normas da ABNT atualizadas, as piscinas continuam a ser armadilhas submersas, onde um simples mergulho pode se transformar numa terrível tragédia.


"O menino de um ano e 10 meses que se afogou enquanto brincava em uma piscina em Ponta Grossa, na região dos Campos Gerais do Paraná, morreu às 7h10 desta sexta-feira (18). Ele estava internado havia três dias, desde o afogamento. 


O caso ocorreu na Rua Afonso Celso, na casa da família. Quando os pais retiraram o menino da água, perceberam que ele estava sem reação e chamaram o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). No entanto, antes mesmo de a ambulância chegar, a criança foi levada à Santa Casa.

No hospital, o menino foi entubado e diagnosticado com parada cardiorrespiratória. Em seguida, transferido para o Hospital Regional, onde sofreu uma nova parada cardiorrespiratória nesta sexta. A equipe médica fez todo o processo de reanimação, mas não obteve resposta.


O corpo foi encaminhado, por volta das 9h45, para o Instituto Médico-Legal (IML). Ainda não há informações sobre o velório e o enterro da vítima."

Texto retirado na íntegra do site do G1

Garoto de 6 anos morre afogado em Parque Aquático de Clube

- 8 de outubro de 2016
Foto copiada do site do G1

O acidente ocorreu neste sábado dia 08, no bairro de Ouro Preto, em Olinda Pernambuco. As causas do afogamento ainda não foram devidamente esclarecidas.

"Um garoto de 6 anos de idade morreu, na capital pernambucana no início da tarde deste sábado (8), após ser vítima de um afogamento. O acidente aconteceu em uma das piscinas do Coqueiral Park, um clube de lazer localizado no bairro de Ouro Preto, em Olinda, na Região Metropolitana do Recife."
O texto completo pode ser lido neste link do G1

Os afogamentos em piscinas podem ser evitados bastando para isso alguns cuidados, sem os quais esses acidentes serão fatais ou deixarão sequelas graves e irreversíveis como é o caso de minha filha que há mais de 18 anos vive em coma. Como muitos sabem, Flavia foi vítima da sucção do ralo da piscina onde nadava.

Não possuirmos  leis e normas de segurança atualizadas para que as piscinas deixem de ser armadilhas submersas, é uma triste e inaceitável realidade em nosso país. Inaceitável também é a morosidade com que vem sendo tratado  um tema tão importante quanto a segurança nas piscinas. E de vez em quando nos deparamos com mais uma noticia de acidente fatal ocorrido nas piscinas do Brasil. Deveriam sentir vergonha quem poderia mudar essa realidade e não o faz. Deveriam sentir vergonha.

Ubá - MG. Ralo de piscina suga cabelo de jovem de 22 anos

- 22 de setembro de 2016
(Foto meramente ilustrativa)

Um ralo sem a tampa de proteção ou anti aprisionamento, certamente oferece perigo a qualquer usuário de piscina

"Uma jovem de 22 anos se afogou no início da tarde desta segunda-feira (19) no Bairro Bom Pastor, em Ubá. De acordo com o Corpo de Bombeiros, o cabelo da vítima ficou preso e foi sugado pelo dreno do sistema de limpeza de uma piscina na casa da garota.

A vítima foi socorrida pelos familiares, que acionaram os bombeiros. Segundo a tenente Priscila Adonay, a jovem teve grau três de afogamento.

Ainda de acordo com os Bombeiros, a vítima foi levada inconsciente e em estado grave para o Hospital Santa Isabel. O G1 entrou em contato com a unidade para saber mais informações, porém, o hospital informou que não pode repassar estes dados sem autorização da família."

Texto copiado na íntegra do site G1

Coloquei a foto acima porque sei que quando há sucção do ralo, é porque este estava sem a tampa de proteção ou anti aprisionamento. E vejam que até adultos podem ter os cabelos ou qualquer outra parte do corpo sugado pela forte sucção dos ralos das piscinas. 

De novo: Evitando escaras em pessoas acamadas ou com mobilidade reduzida

- 21 de setembro de 2016
Flavia sentada na sala, em sua cadeira de rodas

Tendo em vista eu ter uma filha que vive em coma há mais de 18 anos, continuo a receber inúmeros e-mails me perguntando como cuidar de escaras em pessoas acamadas. Como me é difícil responder cada e-mail individualmente, este post destina-se a  responder às questões dessas pessoas, lembrando que não sei como tratar escaras e sim como evitá-las, já que Flavia nunca teve escaras.

Mesmo vivendo em coma, Flavia não fica o dia todo na cama. Após a fisioterapia diária, ela é colocada na cadeira de rodas adaptada para ela e fica na sala, obviamente acompanhada de uma  auxiliar ou técnica de enfermagem. E como a cadeira de rodas de Flavia é stand up, ela é colocada em pé por meia hora. Portanto, todos os dias, são duas horas e meia sentada e meia hora em pé. Se o dia estiver bonito descemos com ela para o jardim do prédio, por uma hora para que ela tome um pouco de sol e tenha contato com o ambiente externo. Ao todo, Flavia fica na cadeira de rodas, por três horas, não mais do que isso. Ao ser recolocada na cama, Flavia fica  na posição lateral, para descansar o corpo do tempo em que na cadeira, ficou na mesma posição. A cada duas horas faz-se nova mudança de posição e se confere se tudo está em ordens com as roupas. Se por  algum motivo Flavia tem que permanecer na cama, a higiene do corpo e das roupas pessoais e de cama é feita com cuidado e carinho, de forma que ela permaneça limpinha e confortável. 

A fim de se evitar escaras em pessoas acamadas ou com mobilidade reduzida, além da  cuidadosa higiene e da mudança constante de decúbito, a alimentação balanceada também ajuda muito. Importante também é cuidar da hidratação da pele.Já usei vários tipos de óleo para hidratar a pele de Flavia, que compro em farmácias ou em casas de produtos hospitalares. No momento, estou usando na pele dela, óleo de coco extra virgem e orgânico que tem se mostrado bastante eficaz.

É preciso levar em conta que os idosos têm pele mais sensível e por isso mesmo são mais propensos à formação de escaras, assim sendo, é preciso redobrar os cuidados com a pele dessas pessoas, se estiverem acamadas ou permaneçam por longos períodos na mesma posição.

No mais, é bom sempre lembrar que o amor é terapêutico. Não basta cuidar, é preciso cuidar com amor.

Um abraço a todos e até o próximo post. 

ASALVO da Colômbia, conscientizando para o perigo das piscinas

- 30 de maio de 2016


Na Colômbia, a Lei de Segurança nas Piscinas já é uma realidade. No Brasil, onde se busca essa tão importante Lei desde 2007, essa lei ainda não existe. E enquanto isso de vez em quando mais uma criança morre por falta de segurança nas piscinas de nosso país.

Menino que foi sugado na piscina durante aula de natação, em São Paulo, segue na UTI

- 15 de maio de 2016
Piscina do Conj.Aquático onde ocorreu o acidente, em São Caetano do Sul, SP
A notícia completa pode ser lida no site do G1

O acidente ocorreu nesta quinta-feira dia 12/05. O garoto de 7 anos se afogou porque foi sugado pelo ralo da piscina durante aula de natação. E se houve sucção do ralo, houve falha na segurança da piscina. Claro que quando há crianças nas piscinas, deve haver supervisão dos adultos,  mas tragédias anteriores têm mostrado que a sucção dos ralos das piscinas quando correm, tamanha é a força que ninguém consegue livrar a vítima.

Temos visto ocorrer acidentes graves e fatais nas piscinas do Brasil, sem que a Lei Federal para Segurança nas Piscinas, seja aprovada e colocada imediatamente em funcionamento. Falta atenção dos políticos para esta Lei tão importante em nosso país. E falta também, infelizmente, por parte dos proprietários e administradores de piscinas, a  conscientização de que manter suas piscinas funcionamento dentro de um alto  padrão de segurança é obrigação sua e direito do usuário. 

São tantos os projetos de Segurança nas Piscinas colocados na Câmara para aprovação,  que não vale a pena voltar no tempo e nem relembrar o desgaste que tem sido reivindicar essa Lei,  seja em viagens que fiz à Brasilia, seja por telefonemas e e-mails que enviei, quase sempre sem respostas. Atualmente existe em tramitação  o projeto 087/2014, aguardando ainda que seja nomeado um relator. Esse projeto tem o mérito de remeter à norma 10339 da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas, norma essa que foi recentemente atualizada, e que menciona por exemplo, a necessidade das piscinas terem portões auto travantes e instalados dispositivos de segurança que evitam a sucção dos ralos. 

O  projeto anterior a este  mencionado acima tinha sido rejeitado lá em Brasilia pelo Senador Dário Berger, alegando ele ser o texto "excessivamente técnico". Ora, com o projeto 087/2014, esse argumento  desaparece já que  o texto desse novo projeto menciona que deve ser seguida a norma  10339 da ABNT.

O que falta então para a Lei Federal de Segurança nas Piscinas ser aprovada e colocada imediatamente em funcionamento?! Senhores de Brasilia que têm o poder de aprovar Leis, o que está faltando é atenção e urgência por parte dos senhores para com um assunto de extremo interesse público que a segurança nas piscinas de todo o Brasil. Enquarto os senhores não tomarem providências imediatas para a aprovação e funcionamento adequado da Lei de Segurança nas Piscinas, as tragédias que temos visto ocorrer no nosso pais, continuarão  a matar pessoas, principalmente crianças. São poucas as crianças que têm a sorte de sobreviver a um acidente tão devastador quanto é este causado pela sucção dos ralos das piscinas. E quando sobrevivem senhores, são com sequelas gravíssimas como é o caso de minha filha Flavia que há 18 anos vive em coma, desde que se afogou quando teve os cabelos sugados por um ralo de piscina que funcionava fora dos padrões de segurança. 

Acidentes  como esse que acabou de ocorrer com o  menino de 7 anos  em São Caetano do Sul, São Paulo e que está na UTI, são tragédias anunciadas. Esses afogamentos causados pela sucção dos ralos,   continuam e continuarão a ocorrer enquanto os senhores não aprovarem a Lei Federal de Segurança nas Piscinas. Como os senhores conseguem conviver com tamanho descaso com a vida humana?! Como conseguem senhores?! 



Santos em São Paulo tem Lei de Segurança em Piscinas

- 11 de maio de 2016
Foto retirada de A Tribuna.com.br

A Lei Federal para Segurança nas Piscinas, apesar de todos os esforços meu e de algumas pessoas que comigo se preocupam em evitar os devastadores acidentes que continuam ocorrendo nas piscinas do Brasil, essa tão importante Lei Federal, continua aguardando aprovação lá em Brasilia. É inadmissível que um assunto tão importante, como é uma Lei que poderá evitar acidentes graves e fatais,  seja tratado com tanto descaso, pelos políticos de Brasília.

Em alguns lugares do Brasil, as autoridades locais resolveram não esperar pela Lei Federal e conseguiram aprovar uma Lei estadual que vai tornando mais seguras suas  piscinas.  Um exemplo é  Santo André em São Paulo, o estado do Rio de Janeiro que já tem sua própria Lei, e agora Santos em São Paulo, conforme pode ser lido nesta matéria:  Lei determina dispositivo de proteção  em piscinas de Santos.

Obviamente, o ideal seria que as piscinas de todo o Brasil seguissem regras de segurança impostas pela Lei Federal. Essa demora na aprovação da Lei é absurda porque enquanto  Lei Federal não sair das gavetas ou mesas dos políticos,  os acidentes nas piscinas do Brasil vão continuar acontecendo e devastando vidas.

Até quando senhores?!

Carta para minha filha em coma, Maio de 2016

- 8 de maio de 2016
Foto de Marcelo Min
Querida filha,

De novo é Dia das Mães. De novo assumo o seu lugar, no envio desta carta que você fazia questão de escrever para mim,  todos os anos, no Dia das Mães. Você sabe que não dou importância a dia disto ou daquilo e, tenho cá pra mim querida, que essas datas são feitas mais para aquecer o comércio. Que seja, mas você dava importância ao Dia das Mães, e só por isso a carta que você me escrevia, eu escrevo pra você, todos os anos na data de hoje.

E só para te relembrar: Já faz 18 anos filha que você vive em coma. Você estava com 10 anos e quando brincava e nadava em uma piscina que funcionava fora dos padrões de segurança, você teve os cabelos sugados pela sucção do ralo e se afogou. Era o dia 06 de Janeiro de 1998, um dia que jamais vai sair de minha memória. As lembranças daquele dia Flavia, vão estar me assombrando para sempre. Para sempre.

Filha, você está com 28 anos, completados em Dezembro. Me desculpe se você não precisar que eu relembre sua idade e mesmo assim eu estar te relembrando, me desculpe. Mas sabe filha, é que eu, apesar de todos esses anos em que venho cuidando de você, pouco sei sobre o misterioso estado de coma, esse brutal sono sem despertar que te mantém tão perto e tão longe de mim, O que eu sei, ou melhor, o que eu sinto filha, é que o estado de coma é algo intermediário entre a vida e a morte, entre o ir e o ficar, entre eu ter e não ter você aqui participando ativamente de minha vida. De nossas vidas.

Sobre a Lei Federal para Segurança nas Piscinas pela qual eu e você, por anos a fio, tanto temos lutado, lamento te dizer Flavia que essa Lei ainda é um sonho em nosso país. O projeto dessa tão importante Lei que poderia evitar que outras crianças e outras mães venham a ter destinos idênticos ao nosso, o projeto dessa lei avançou alguns passos, mas continua enfrentando burocracia, morosidade e falta de atenção por parte dos políticos que poderiam decidir sobre a votação da Lei.

O que posso te dizer de positivo filha, é que felizmente, algumas pessoas continuam se empenhando para que lá em Brasilia, o enrosco se desfaça e a Lei possa vir a existir. Daqui a quanto tempo? Não sei te dizer filha, mas saber que existem pessoas que estão dispostas a trabalhar para que a Lei Federal para Segurança nas Piscinas venha a ser uma realidade no Brasil, já me faz sentir esperança Flavia. E filha, preciso dessa esperança para ter um mínimo de paz, preciso dessa esperança para sentir que o seu estado de coma e que a nossa luta não terá sido em vão. Preciso dessa esperança filha.

Beijos,
Mainha


Mais uma criança sugada por ralo de piscina. Os políticos não se importam.

- 29 de abril de 2016
Luisa Amado, de 7 anos, durante atendimento em
hospital (Foto: Marina Neri/Divulgação)

Por esses dias, uma menina de 7 anos, em Águas Claras, no Distrito Federal quase morre ao ter os cabelos sugados pelo ralo da piscina onde nadava. Felizmente Luisa teve mais sorte do que outras crianças. A noticia completa pode ser lida no site a seguir no  site do  G1

É vergonhoso que após tanto trabalho para colocar nas mãos dos políticos, o texto, já pronto,  da Lei Federal para Segurança nas Piscinas, ainda não tenhamos esta Lei em funcionamento no Brasil. VERGONHOSO.

Segurança nas Piscinas e o portão auto travante

- 21 de fevereiro de 2016


 Colocação de trava de segurança em portão já existente na piscina.

PORTÃO AUTO TRAVANTE NAS PISCINAS evita acidentes com crianças pequenas.

Neste início de ano de 2016 tenho lido sobre vários acidentes em piscinas, ocorridos com crianças pequenas que ao caírem na piscina, se afogam e morrem. É claro que os pais devem exercer vigilância constante com seus filhos pequenos, mas sabemos que uma distração pode ocorrer, distração essa que pode ser fatal. Para diminuir consideravelmente esse tipo de acidente, pode-se instalar no portão de acesso à piscina, a TRAVA DE SEGURANÇA a que torna o portão auto travante. Mas mesmo um portão já existente pode ser adaptado como mostram as fotos deste post.Cada caso deve ser estudado e analisado para saber qual a melhor forma de instalar a trava de de segurança, de forma que torne impossível uma criança pequena abrir o portão e ter acesso à piscina. Claro que esse é um trabalho que deve ser feito por empresas especializadas.Os dois senhores da foto são da empresa Alumigram aqui de São Paulo. Evite acidentes, cuide da segurança de sua piscina.

Menina de 4 anos presa ao ralo da piscina na Paraiba

- 17 de janeiro de 2016


Simulação
Foto obtida na Net e meramente ilustrativa


"Criança é resgatada por bombeiros após ficar  com o braço preso  em ralo de piscina

Menina ficou presa em cano de sucção e foi resgatada por bombeiros.
Segundo bombeiros, baixa profundidade da piscina evitou tragédia."


O ralo estava sem a tampa, evidenciando a falta de cuidado do local com os usuários da piscina.  O acidente ocorreu no dia 15 de janeiro  em João Pessoa, na Paraiba.


Fonte: G1

Em coma,18 anos depois de novo é 6 de janeiro, de novo é verão

- 6 de janeiro de 2016
DICAS DE SEGURANÇA EM PISCINA
 com Augusto Araújo, perito em segurança de piscinas

De novo é 6 de janeiro e de novo esta data me revive uma dor da qual jamais vou me livrar. O dia de hoje me traz dolorosas lembranças porque no dia 6 de janeiro de 1998, portanto, completando hoje 18 anos, vi minha filha ter a vida dolorosamente transformada só porque Flavia nadava em uma piscina, infelizmente, funcionando fora dos padrões de segurança. Flavia tinha 10 anos então. Hoje Flavia tem 28 anos, é uma moça de beleza suave mas segue vivendo em coma, com todas as limitações que o estado de coma impõe.

Nesses longos 18 anos, muitas outras crianças foram vítimas, a maioria fatal, desse tipo de acidente, sem que nenhuma providência concreta tenha sido tomada por parte dos políticos, para que tenhamos no Brasil uma Lei Federal para Segurança nas Piscinas, muito embora os políticos tenham recebido em mãos, o texto do Projeto, cuidadosamente redigido com a assessoria de peritos em segurança de piscinas. Muito embora, o projeto tenha sido aprovado por três comissões em Brasilia, acabou sendo barrado no Senado pelo Senador Dario Berger, segundo ele, por considerar o texto "excessivamente técnico", uma desculpa do Senador, certamente para justificar sua falta de interesse em aprovar uma Lei que se aplicada e fiscalizada, poderia salvar muitas vidas E as tragédias de afogamento nas piscinas do Brasil, seja por falta das cercas de proteção, seja pela sucção dos ralos, continuam acontecendo em diferentes locais de nosso país.

É vergonhoso continuar a presenciar nas piscinas do Brasil, tragédias anunciadas com crianças pequenas caindo em piscinas sem cercas de proteção, ou crianças maiores sendo sugadas pela sucção dos ralos, quando bastaria que os políticos trabalhassem no sentido de aprovar o projeto de lei, com eles sabe-se lá, se na gaveta ou sobre a mesa, há quase 5 anos. É vergonhoso.

É vergonhoso que nem mesmo o longo estado de coma de minha filha ou a morte de tantas crianças por afogamento nas piscinas do Brasil, tenha servido de exemplo e alerta para que os senhores políticos se mexam e aprovem o projeto da Lei de Seguranças nas Piscinas. 

Diante da falta de interesse e da inércia dos políticos, a única forma de evitar os acidentes por afogamento nas piscinas do Brasil é a conscientização dos pais do perigo existente em piscinas sem cercas de proteção e sem tampas anti aprisionamento para evitar a sucção dos ralos. E claro, cobrar dos proprietários e administradores de piscinas a segurança necessária para que as crianças possam brincar sem correr risco de nunca mais voltar de um mergulho.








Flavia, mais um aniversário sem ver proteção nas piscinas do Brasil

- 16 de dezembro de 2015
Fotos de algumas das crianças vítimas da sucçao dos ralos de piscinas
As fotos começam a ser repetidas aqui, mas a negligência com esse tipo de acidente também é.

Hoje é aniversário de Flavia, 28 anos, 18 dos quais vivendo em coma, desde que em 06 de janeiro de 1998, aos 10 anos de idade, minha filha teve os cabelos sugados por um ralo de piscina que funcionava fora dos padrões de segurança.

Vivendo à margem da vida. 18 anos em que minha filha vive sim, à margem da vida devido a um acidente que poderia ter sido evitado. Por falta de segurança na piscina onde nadava, Flavia perdeu parte da infância, toda a adolescência e está perdendo sua juventude. Flavia não pode continuar seus estudos, não teve festas de 15 anos, não foi às festas, não namorou, não se casou e nunca vai me dar netos. Flavia vive em coma.

Ao escrever e dar entrevistas sobre os acidentes causados pela sucção dos ralos de piscinas, minha ideia era alertar as pessoas e conscientizar as autoridades de que ralos de piscinas podem matar ou deixar uma pessoa em coma, e em assim sendo, urgente se faz termos uma Lei Federal para Segurança nas Piscinas. Uma Lei que obrigue proprietários e administradores de piscinas a terem instalados dispositivos de segurança que evitam a sucção dos ralos.

O texto, o conteúdo da Lei foi entregue pronto em Brasília, mas apesar de o Projeto da Lei Federal para Segurança nas Piscinas ter passado por três importantes comissões, o Projeto continua PARADO lá em Brasília, por falta de interesse público. Há sempre uma desculpa, o carnaval, a copa, as eleições, o final do ano, o recesso dos parlamentares.... E a Lei não sai do papel. E enquanto isso crianças continuam a morrer em piscinas sem segurança.

Sinto uma imensa frustração por ver que mesmo depois de tanta luta, o gravíssimo acidente ocorrido com minha filha e o longo e irreversível estado de coma de Flavia não serviu para sensibilizar os políticos da necessidade de uma Lei que possa evitar que outras crianças morram ou venham a ter o destino de Flavia.

Por tudo isso não há o que comemorar hoje, apenas lamentar. Por Flavia e por tantas outras crianças que perderam a vida em mergulhos sem volta.

Menina de seis anos, fica com o pezinho preso pela sucção da piscina

- 25 de outubro de 2015
Neste domingo dia 27 de setembro, na cidade de Melgar, na Colômbia, no Hotel Xilon uma menina de seis  anos teve o pezinho preso pela sucção do ralo da piscina  infantil onde a criança brincava. No momento do acidente não havia salva vidas no local e só foi possível liberar o pé da criança da sucção após o desligamento da bomba.

Leia o texto completo AQUI
"....El domingo 27 de septiembre, Ricardo, su esposa y su hija se encontraban disfrutando de las instalaciones del hotel, la menor, estaba en la piscina infanitl que no mide más de un metro de altura.
Cerca de las 12 del día, en esta piscina se escucharon gritos y llanto, el personal de mantenimiento del hotel encendió los succionadores de la piscina y uno de ellos aspiró el pie de la pequeña.
De un momento a otro nosotros estábamos ahí alrededor de la piscina, la señora madre está como a unos tres metros yo estaba más retirado y escuchamos gritar a la niña y nos vamos a auxiliarla y observamos que era un succionador que le estaba cogiendo el pie y gritamos todos desesperados. Nosotros a auxiliarla, se siente la impotencia más tremenda y la niña gritando del dolor“, explicó el padre de la niña."
Piscinas de hotel teria por obrigação ter salva vidas. A presença desse profissional poderia evitar acidentes, muitos deles fatais. Qualquer que seja a gravidade do acidente o local poderá ser acionado legalmente.

Meu e-mail para novo relator da Lei Federal para Segurança nas Piscinas

- 8 de outubro de 2015
Foto de algumas das crianças vitimas de acidentes nas piscinas do Brasil. Das crianças mostradas neste painel, apenas minha filha Flavia sobreviveu, e mesmo assim em coma vigil irreversível.

Como publiquei, no blog de Flavia, no Facebook e no Twitter o PL 71-2014 que trata da Lei Federal para Segurança nas Piscinas, há muito tempo em Brasilia e tendo já sido aprovado por três importantes comissões, está prestes a ser votado no Senado. O novo relator Dário Berger (PMDB-SC) sinalizou que vai votar pela REJEIÇÃO do Projeto.

Nas  tentativas que fiz de falar com o Senador por telefone, não consegui   êxito. Mas estive em contato com o Deputado Darcísio Perondi, (PMDB-RS)  primeiro relator deste projeto, que prometeu falar com o Senador, pedindo que ele vote pela APROVAÇÃO da Lei.

 No último dia 05 de outubro, enviei ao novo relator e-mail abaixo:

"Segunda-feira, 05 de outubro de 2015

Bom dia, Senador Dário Berger,

Sou Odele Souza, autora do blog Flavia, vivendo em coma, moro em São Paulo e sou mãe de Flavia Souza Belo,  uma moça hoje com 27 anos que vive em coma desde 06 de janeiro de 1998, portanto há quase 18 anos. Flavia era  uma menina alegre e saudável até os 10 anos de idade, quando nadando na piscina do condomínio onde morávamos em Moema , aqui em São Paulo, minha filha  teve os cabelos sugados pelo ralo da piscina. Foi resgatada com vida, mas desde então segue vivendo em coma.

Em Janeiro de 2014, quando ocorreram em diferentes estados brasileiros, três acidentes fatais pelo mesmo motivo – sucção dos ralos, o programa Fantástico da TV  Globo entrevistou os pais de uma das vítimas. Fui uma das entrevistadas. A matéria está  na lateral do blog de Flavia mas também neste link: Fantástico – janeiro de 2014

Sou uma forte defensora de que temos que ter uma Lei Federal para Segurança nas Piscinas, para evitar mais tragédias como a que deixou minha filha em coma e como as que temos visto ocorrer pelo Brasil afora, vitimando principalmente crianças. Li que o senhor pretende  votar pela Rejeição do PLC 71/2014, que trata da Segurança nas Piscinas. Senador, estive em Brasília em 2011, acompanhada de dois peritos em segurança em piscinas, o  senhor Augusto Araújo e o senhor Lawrence Doherty quando  entregamos em mãos do Deputado Darcísio Perondi, à época relator do Projeto, um texto cuidadosamente escrito incluindo os dispositivos de segurança que sabemos, se instalados em uma piscina,  vão evitar a sucção dos ralos e com isso evitar também a morte de muitas crianças.  É o mesmo texto que o senhor tem em mãos.

Embora o Brasil ainda não tenha  estatísticas apuradas, de acordo com a ANAPP – Associação  Nacional dos Fabricantes Construtores de Piscinas e Produtos Afins, “calcula-se que o número de mortes de crianças por afogamento em piscinas chega a 80 por ano e as que sobrevivem, porém com sequelas, por volta de 500.”  E de acordo com a Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático (Sobrasa), “as piscinas são responsáveis por 53% de todos os casos de óbitos por afogamento na faixa de 1 a 9 anos de idade. Muitos destes   provocados por bombas de sucção. Para evitar estes acidentes, os responsáveis pelas piscinas podem substituir a bomba por um sistema antiaspiração de cabelo e corpo e sempre que se utilizar a piscina deve manter a bomba desligada.”

Os acidentes  em piscinas são devastadores e  causam vítimas graves e fatais  por todo o mundo  constatando-se que esses acidentes ocorrem pela falta  da obrigatoriedade do uso de dispositivos como  por exemplo cercas de proteção, portões auto travantes (protegem  as crianças pequenas) e tampas anti aprisionamentos e sistemas de liberação de vácuo (proteção para crianças maiores).  A Lei de Segurança nas Piscinas já é uma realidade nos Estados Unidos e na Colômbia, com dispositivos idênticos aos que estão no texto do Projeto que o senhor tem em mãos.

O Blog de Flavia, é um site conhecido no Brasil e no exterior e através do blog de minha filha, desde 2007, venho tentando conseguir a aprovação  da Lei de  Segurança nas  piscinas do Brasil. O  link do blog está abaixo de minha assinatura eletrônica neste e-mail, mas também neste link: Flavia, vivendo em coma.

Senador, eu que tenho uma filha em coma irreversível por causa de um acidente ocorrido em uma piscina sem segurança, peço ao senhor que vote A FAVOR  da Lei Federal  para Segurança nas Piscinas. Vote pela APROVAÇÃO dessa Lei que certamente vai salvar a vida de muitas crianças, acredite. Vote pela  APROVAÇÃO, Senador  e SALVE VIDAS. Neste momento o senhor tem esse poder. SALVAR VIDAS.

Estou à sua disposição para conversar sobre este tema  nos telefones de contato que lhes forneço em anexo.

 Muito obrigada por sua atenção a este e-mail.

Atenciosamente,

ODELE SOUZA
Flavia Souza Belo (Facebook)
Segurança nas piscinas, esta é uma causa de todos nós"

Quem quiser escrever ao Senador pedindo pela APROVAÇAO da Lei Federal para Segurança nas Piscinas, o e-mail dele é este:

Nome do senador/relator: Dário Elias Berger
Gabinete: Senado Federal Anexo II Ala Teotônio Vilela Gabinete 26
Telefones: (61) 3303-5947 / 5951
FAX: (61) 3303-5955
E-mail: dario.berger@senador.leg.br
Assessora do Senador: Daniella Ribeiro Maia. drmaia@senado.gov.br 


Movimento pela APROVAÇÃO da Lei Federal para Segurança nas Piscinas

- 3 de outubro de 2015
Flavia Souza Belo, aos 10 anos, dois meses antes do acidente que lhe deixou vivendo para sempre, em coma e a tampa anti aprisionamento que certamente teria evitado o acidente.

Na próxima semana o relator Dário Berger, do Senado Federal vai votar pela REJEIÇÃO do PLC 71/2014 que disciplina sobre a SEGURANÇA NAS PISCINAS de todo o país. Esse Projeto, hoje com outra numeração, é o mesmo cujo texto entregamos em Brasilia em agosto de 2011, ao deputado Darcíso Perondi, cuja aprovação nos foi  prometida para aquele mesmo ano. AQUI.

Peço sua adesão para que juntos possamos agir pela APROVAÇÃO dessa Lei. Os acidentes em piscinas têm causado a morte de muitas crianças, principalmente pela sucção dos ralos. Minha filha Flavia é uma sobrevivente deste tipo de acidente e mesmo assim, com a grave sequela de coma vigil irreversível. Flavia vive em coma há quase 18 anos.

Não fique indiferente. Entre nesse movimento pela APROVAÇÃO DA LEI FEDERAL DE SEGURANÇA NAS PISCINAS, para que outras crianças não morram ou venham a viver em coma pela falta de segurança nas piscinas do Brasil.

Compartilhe este post  no seu Facebook, Twitter ou Blog. Convide seus amigos a compartilhar também. Envie e-mails para o Senador/relator pedindo para que ele vote pela APROVAÇÃO e não pela rejeição da Lei. Muitas vidas poderão ser salvas pela aplicação desta Lei que obriga  as piscinas a terem instalados dispositivos que vão evitar a sucção dos ralos.

No Twitter use a hastag: #Senador Dário Berger - SEGURANÇA NAS PISCINAS JÁ!

Seguem contatos do gabinete do senador:
Nome do senador/relator: Dário Elias Berger
Gabinete: Senado Federal Anexo II Ala Teotônio Vilela Gabinete 26
Telefones: (61) 3303-5947 / 5951
FAX: (61) 3303-5955
E-mail: dario.berger@senador.leg.br
Assessora do Senador: Daniella. drmaia@senado.gov.br 

Muito obrigada
Odele Souza

Segurança nas Piscinas é um direito de toda criança!

Segurança nas Piscinas - Um Brasil sem LEI?!

- 2 de outubro de 2015
Observação: Os projetos de Lei podem mudar de numeração  ao longo de sua tramitação. É o caso aqui. O Projeto de Lei Federal para Segurança nas Piscinas tinha inicialmente a numeração 1162/2007, no projeto de autoria de Mário Heringer. Passou depois a ser PL  7414/2010  de autoria do Dr.Rosinha e agora no Senado tem o número PLC 71/2014. Para evitar confusão, deve-se mencionar esta última numeração ou simplesmente Lei Federal para Segurança nas Piscinas.


"Em reunião na quarta-feira (30), a Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo (CDR) deve examinar o projeto de Lei da Câmara (PLC) 48/2014, que torna obrigatória a presença de salva-vidas em todos os estabelecimentos que explorem balneários ou outros locais aquáticos abertos ao público. A reunião tem início às 9h, na sala 7 da Ala Senador Alexandre Costa.

De autoria do deputado Vander Loubet (PT-MS), o projeto tramita em conjunto com o PLC 71/2014, que disciplina a prevenção de acidentes em piscinas. O voto do relator, Dário Berger (PMDB-SC), é pela rejeição do PLC 71/2014, de autoria do deputado Mário Heringer (PDT-MG), e pela aprovação do PLC 48/2014, com emenda que eliminou dispositivos excessivamente técnicos da proposição. A matéria seguirá à Comissão de Assuntos Sociais (CAS), em decisão terminativa.

Vander Loubet justifica a apresentação do projeto ao lembrar que, anualmente, entre 13 e 15 mil pessoas morrem afogadas no Brasil, mais que a soma de homicídios na Noruega, Grécia, Espanha, Canadá e Irlanda.
Espaços aquáticos

O projeto obriga a presença de profissionais salva-vidas em todos os estabelecimentos que explorem balneários ou outros espaços aquáticos de recreação ou prática desportiva abertos ao uso do público.

Os espaços privados de uso público deverão contratar profissionais salva-vidas, na proporção de um para cada grupo de 200 pessoas que frequentem a instalação aquática. Os requisitos de qualificação profissional dos salva-vidas serão os estabelecidos em regulamento.

Os estados, o Distrito Federal e os municípios regulamentarão a utilização e organização dos serviços de salva-vidas nos balneários e espaços aquáticos público de sua propriedade, ou cujo domínio lhe seja atribuído constitucionalmente, bem como naqueles situados em domínio da União.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado) "


Fonte: AQUI


Lamentável notícia. E teremos, infelizmente novas mortes de crianças que aprisionadas pela sucção dos ralos de piscinas, morrerão ou como minha filha Flavia,  viverão para sempre em coma. Lamentável notícia.

Quem quiser participar desta luta
Seguem contatos do gabinete do senador:
Nome civil: Dário Elias Berger
Gabinete: Senado Federal Anexo II Ala Teotônio Vilela Gabinete 26
Telefones: (61) 3303-5947 / 5951
FAX: (61) 3303-5955


A importância da Fisioterapia em pessoas acamadas

- 12 de setembro de 2015
Flavia em sua sessão diária de Fisioterapia

Um dos motivos de Flavia estar bem (sempre dentro do possível, claro) é que desde o acidente que lhe deixou em coma, ocorrido há quase 18 anos, ela faz fisioterapia diária. (menos aos domingos) Vejam como ela tem um bom alongamento e assim é tanto nas pernas quanto nos braços. Flavia tem uma boa musculatura e isso se deve principalmente à fisioterapia.

Quando a pessoa perde a mobilidade e fica acamada, a fisioterapia é indispensável a fim de evitar que os membros fiquem rígidos e atrofiados. Mas é preciso cuidado com a escolha dos profissionais, é preciso ver se aquele profissional tem o perfil adequado para trabalhar com o seu ente querido. Fazer fisioterapia em um homem por exemplo, deve ser diferente dos movimentos feitos em mulheres que têm estrutura física mais delicada. Sempre que possível, fique por perto, observe o fisioterapeuta trabalhando, opine (você tem esse direito) e se necessário for, troque o profissional. Não basta cuidar, é preciso cuidar bem.

Se não temos o poder de trazer de volta a saúde perfeita de nosso ente querido, esse poder está em nossas mãos, quando se trata de lhe proporcionar a melhor qualidade de vida possível. Para isso, uma boa dose de amor é fundamental. Cuidar com amor, é bem diferente de apenas cuidar.
Related Posts with Thumbnails