Este blog, criado em janeiro de 2007, é dedicado à minha filha Flavia e sua luta pela vida. Flavia vive em coma vigil desde que, em 06 de janeiro de 1998, aos 10 anos de idade, teve seus cabelos sugados pelo sistema de sucção da piscina do prédio onde morávamos em Moema - São Paulo. O objetivo deste blog é alertar para o perigo existente nos ralos de piscinas e ser um meio de luta constante e incansável por uma Lei Federal a fim de tornar mais seguras as piscinas do Brasil.

Gentileza gera gentileza? Nem sempre, mas ser gentil é preciso

- 1 de setembro de 2015
Meus filhos Flavia e Fernando, em cena de afeto explicito

Como muitos de vocês sabem, minha filha Flavia, aos 10 anos,  teve os cabelos sugados por um ralo de piscina, se afogou e desde então vive em coma vigil. E esta é minha realidade há quase 18 anos. Quando o sofrimento  nos atinge nem sempre é fácil fugir do estado de torpor em que a dor nos joga e não raro, existe a possibilidade de nos tomarmos pessoas amargas, hostis e até mesmo grosseiras com pessoas próximas ou não. É preciso evitar isso a todo custo.Sim, ser gentil é possível. Ser gentil é preciso. 

Cada pessoa lida com a dor de forma única e temos que respeitar isso. Enquanto para uns, depois de uma tragédia em sua vida é possível ainda ser feliz, para outros, essa possibilidade deixa de existir. Qualquer que seja a forma com lidamos com a dor, ser gentil com as pessoas é fundamental. Ninguém tem culpa dessa rasteira que a vida nos deu. Ninguém tem culpa de tudo que você sofreu. Por isso, não podemos permitir que o sofrimento nos torne pessoas de difícil convivência. Nada justifica a grosseria e a falta de gentileza no trato com o outro.

Ser gentil com as pessoas nem sempre pode nos trazer a gentileza de volta, mas ainda assim vale a pena ser gentil. Com gentileza, a vida fica  menos sofrida, fica mais fácil, fica mais leve.



Piscinas. Desconhecer os perigos pode custar a vida de sua criança

- 26 de agosto de 2015
Santiago Rivera morreu em  2006 em uma piscina, na Colômbia. 

Fonte da foto e da matéria: El País - Colômbia

Santiago Rivera é filho da médica colombiana Maria del Pilar Molina e morreu em 2006, afogado em uma piscina. Desde então Maria Pilar abriu uma fundação e alerta para o perigo existente nas piscinas, salvando assim outras crianças de ter o mesmo destino de Santiago.

A matéria abaixo que pode ser lida na sua íntegra no site do jornal El Pais da Colômbia, é deste mês de agosto, quando já se passaram 9 anos desde a morte de Santiago. Mas o perigo de ontem continua hoje, infelizmente.

"Han pasado 9 años desde su tragedia, la de perder a Santiago en una piscina. Y aunque pasa el tiempo, la misma pregunta le ronda en la cabeza  a María del Pilar Molina: ¿por qué siendo médica no conocía algo tan básico como el peligro que corre un niño en una piscina?..."

Informe-se  mais AQUI e na SANTIRIVERA FUNDACIÓN

A ignorância, a desinformação pode custara vida de sua criança. Informe-se e cobre segurança na piscina onde seu filho.
.

Segurança nas piscinas - cercas de proteção e...

- 21 de agosto de 2015
Cercas de proteção com portão autrotravante

O maior risco de afogamento em piscinas ocorre com crianças menores de 5 anos.

Todas as medidas preventivas que  possam ser  tomadas para evitar acidentes nas piscinas, têm que ser consideradas. O que é um pequeno investimento comparado ao valor de uma vida?

Se sua  piscina residencial não tem cerca de proteçao, considere a possibilidade de instalar ao redor de sua piscina, cerca de proteção com portões auto-travantes. De boa qualidade, obviamente.

Segurança nas piscinas, uma causa de todos nós.

Silêncio, atenção e ternura

- 19 de agosto de 2015
Flavia e sua Técnica de Enfermagem Débora. Cuidado e Ternura.

Todos os dias, quando o tempo permite, Flavia é levada ao jardim do prédio. É o seu passeio mais longo, já que sair de casa com ela nas condições em que passou a viver, é algo bastante difícil e perigoso para ela, já que precisa ser aspirada com frequência. Essas aspirações se devem principalmente pelo fato de, com o acidente,  Flavia ter perdido o reflexo de deglutição. Sem as aspirações frequentes, ela sufocaria. Dos cuidados que precisa ter para se manter bem, as aspirações via traqueal, fazem parte dos procedimentos mais delicados e desconfortáveis para Flavia. 

Quando desce para o jardim do prédio Flavia é vestida como qualquer moça da idade dela. E como qualquer moça de sua idade, Flavia usa vestidos, minisaias, shorts,  sandálias, tênis ou botinhas. Usa gargantilhas, pulseiras e enfeite nos cabelos. E óculos de sol para lhe proteger os olhos sensíveis da claridade excessiva. Talvez eu nunca consiga escolher para minha filha exatamente a roupa e os acessórios que ela gostaria de usar naquele determinado dia, mas é o que dá pra fazer, é o que é possível, é o que a vida nos permite ter. 

Todas as manhãs, quando escolho a roupa que minha filha vai usar durante o dia ou mesmo a camisola que depois ela vai usar quando for colocada de volta em sua cama,  sinto um nó no peito e me pergunto se Flavia pudesse escolher, se usaria aquela roupa que a mãe escolheu. Um nó no peito, nunca desfeito porque eu fazer as coisas por Flavia é nossa rotina diária. 

A rotina dolorosa é amenizada pela ternura de alguns dos profissionais que me que ajudam a cuidar de minha filha. A moça  na foto com Flavia é Débora, técnica de enfermagem que há pouco mais de dois anos, em dias alternados, cuida de Flavia com muita competência, atenção e carinho. É quando consigo sair um pouco de casa, porque sei que com Débora, Flavia está bem cuidada.

Não basta cuidar, é preciso cuidar bem. Está em nossas mãos (e coração) fazer com que a pessoa que depende de nossos cuidados para sobreviver, tenha um sobrevida digna. Colocar AMOR em tudo que fazemos faz toda a diferença.


Afogamento, uma morte silenciosa

- 16 de agosto de 2015

As crianças se afogam em silêncio, por isso o afogamento é conhecido como a morte silenciosa. Não tem como escutar um pedido de ajuda, um grito de socorro de uma criança embaixo dágua. Se afogam em silêncio, e em silêncio morrem.

O afogamento ocorre em um momento de distração. Basta um segundo para a tragédia acontecer. Ao ter início o afogamento, a glote se fecha durante alguns segundos. Como não há entrada de oxigênio, chega o momento em que a pessoa deixa de se debater e começa a tomar agua. Segundos depois a pessoa entra em parada cardiorrespiratória.

Uma criança perde a consciência depois de estar submersa por dois minutos. Depois de 4 a 6 minutos, danos irreversíveis ocorrem em seu cérebro.

Claro que a supervisão dos pais é imprescindível, mas é preciso que as piscinas onde nossas crianças nadam sejam locais seguros. Para isso basta que alguns dispositivos de segurança sejam instalados nas piscinas. Tampas anti aprisionamento e cercas de proteção por exemplo.

Continuamos à espera da Lei Federal para Segurança nas Piscinas que se encontra parada no gabinete do Senador Renan Calheiros lá em Brasília. Enquanto o uso de dispositivos de segurança não for LEI, nas piscinas de nosso país, os acidentes, principalmente vitimando crianças continuarão a ocorrer.



Piscinas, como evitar a perigosa sucção dos ralos

- 8 de agosto de 2015
Tampa FSB, um dispositivo de segurança simples e barato que evita a sucção dos ralos

"Boa noite, sou engenheiro civil recém formado e hoje comecei a dimensionar o meu primeiro projeto hidráulico de piscina como profissional. Como já tinha visto alguns casos de morte envolvendo ralos de piscinas, resolvi pesquisar a existência de algum dispositivo de segurança (já que não vemos isso na universidade) e encontrei este blog. Desde já parabenizo-lhe pela iniciativa e informo que neste meu primeiro projeto e em todos os próximos que farei, colocarei a indicação do uso do ralo FSB, para que não tenhamos outros casos como esse! Obrigado e força! "

O texto acima foi deixando nos comentários deste blog, na postagem "Flavia, 17 anos em coma e as piscinas do Brasil continuam a causar graves acidentes"

É gratificante para mim saber que o trabalho de divulgação que ao longo dos anos venho fazendo sobre o caso de minha filha, está  conscientizando  pessoas e profissionais da área sobre o perigo  e como evitar que a sucção dos ralos de piscinas continuem a causar mortes por afogamento nas piscinas de nosso país.

Verifique se a piscina de sua casa, de seu condomínio ou do local que você frequenta tem tampas anti aprisionamento nos ralos. Se não tiver, fique longe do ralo!

Até o próximo post.

Morre menina de 10 anos por sucção em piscina.No Hilton Hotel da Turquia

- 30 de julho de 2015
 Sofía El-Khoury, 10 anos
Hilton Hotel - Turquia

"Fallece Sofía El-Khoury, la niña colombiana que sufrió accidente en piscina de hotel en Turquía"

Domingo, Julio 26, 2015

La niña colombiana Sofía El-Khoury Cepeda, de diez años, hermana de la presentadora de televisión Carolina Soto, que estaba en coma desde el sábado pasado cuando sufrió un accidente en la piscina de un hotel de Dalaman, en el suroeste de Turquía, falleció este domingo, informaron medios locales.

El accidente tuvo lugar el sábado pasado por la tarde, cuando Sofía El-Khoury jugaba en una piscina infantil del hotel Hilton en Dalaman y se acercó a la rejilla de desagüe.

"La niña tenía los cabellos largos y el agua los succionó; no pudo liberarse", relató el padre de la menor en una entrevista.

La menor fue trasladada este sábado a una clínica en Israel, donde especialistas le declararon muerte cerebral tras practicarle varios exámenes." 

Fonte: NTN24

Lamentavelmente temos mais uma morte de criança, ocorrida neste mês de Julho de 2015. Sofia, a menina colombiana que morreu vítima de um acidente por sucção na piscina do Hilton Hotel da Turquia, tinha 10 anos. Flavia, minha filha que há quase dezoito anos vive em coma, também tinha 10 anos e também era linda  e saudável, assim como Sofía. E assim como Sofía, Flavia foi vítima do descaso dos administradores de piscinas com a segurança de seus usuários. Esse tipo de negligência precisa de punição EXEMPLAR.

Segurança nas piscinas, esta é uma causa de todos nós!

Morre criança em piscina de hotel em Goiás. Não havia salva vidas no local

- 27 de julho de 2015
Hospital onde criança foi internada

Uma menina americana de três anos, morreu afogada no dia 15 deste mês de  julho, em uma piscina de um  hotel em Caldas Novas, Goias. A criança caiu na piscina, foi levada ao Hospital mas não resistiu. 

"Segurança
Um dos principais pontos turísticos de Goiás, Caldas Novas tem mais de 100 hotéis. A maioria deles possui piscinas e área de lazer.

O Corpo de Bombeiros informou que os estabelecimentos que recebem mais de 50 pessoas por dia são obrigados a ter um profissional salva-vidas. No entanto, o gerente do hotel onde a criança se afogou confirmou que o lugar não possui esse tipo de serviço. “Lá na beirada da piscina não tinha, a família estava toda junta com a piscina, e a piscina só tem 80 cm de profundidade”, afirma o gerente."

Fonte, da notícia e da foto:  G1

Claro que não se deve prescindir da supervisão dos pais, mas um  momento de distração pode ser fatal. As piscinas de hotéis são consideradas de uso público, por isso têm que ter salva vidas. A falta desse profissional em piscinas de hoteis é INADMISSIVEL

A sucção nas piscinas, Kevin sobreviveu mas poucos têm a mesma sorte

- 25 de julho de 2015
O menino Kevin, acidentado na Indonésia, no início de Julho de 2015

Este acidente aconteceu no Family Park "Citra Gran Cibubur"em Jatisampurna, Bekasi, na Indonésia. O menino da foto, Kevin, teve a  barriga  sugada pela bomba de sucção da piscina (ralo)  e ficou preso embaixo dágua por 7 minutos. Foi reanimado,  seguiu com tratamento médico intensivo e sobreviveu. 

Sabemos que nem todas as crianças  que sofrem este tipo de acidente têm a mesma sorte de Kevin. A maioria morre  já que a sucção no ralo é tão forte que poucos conseguem escapar. Minha filha sobreviveu, mas como muitos sabem,  Flavia vive em coma vigil  há quase 18 anos desde que aos 10, sofreu afogamento por ter tidos os cabelos sugados pelo ralo da piscina onde nadava. 

A piscina  do local onde Kevin sofreu o acidente, foi fechada e a polícia assumiu a investigação. 

Fonte: AQUI

Segurança nas Piscinas! As necessárias cercas de proteção

- 26 de maio de 2015
  
Artur,de um ano e meio,morreu afogado na piscina durante almoço em família.

"Um menino de um ano e meio morreu afogado em uma piscina neste domingo (24), em Sorriso, distante 420 quilômetros de Cuiabá, em Mato Grosso. De acordo com informações do Corpo de Bombeiros, Artur Mendes da Silva, estava almoçando com os pais na casa de familiares quando o acidente aconteceu.

A criança se afastou dos adultos e foi encontrada já desmaiada, dentro da piscina. O local estava coberto com uma lona de proteção. Contudo, os familiares não informaram de que forma ela estava fixada.

"Eles sentiram a falta dele e, quando procuraram, já o encontraram debaixo dessa lona. A lona é colocada na superfície da água, mas qualquer peso que caia por cima ela já vai afundar. O garoto foi encontrado perto da borda. Pode ser que ele tenha caído perto ou em um local que estava aberto e a lona o encobriu", explicou Jairo Demori, sargento do Corpo de Bombeiros.

A criança foi socorrida pelos pais e levada para um hospital da cidade pelos Bombeiros. "No caminho, fizemos massagem cardíaca, mas ele já tinha sofrido uma parada cardiorrespiratória. Os médicos do hospital tentaram reanimá-lo, mas algumas horas depois ele morreu", disse Demori.

A madrinha de Artur, Ivete Dias, afirmou que a casa pertence a uma tia do pai da criança. "Eles estavam almoçando. Daí o procuraram e não acharam. Ele estava dentro da piscina", lamentou.

O corpo do menino está sendo velado na Capela Mortuária, em Sorriso. A previsão é que o enterro ocorra no período do final da tarde no cemitério local. A mãe de Artur tem uma outra filha recém-nascida de 40 dias."

Copiado na íntegra  DAQUI

Cercas de proteção com portões autotravantes podem evitar este tipo de acidente que vitimou o pequeno Artur. 
Related Posts with Thumbnails