Este blog, criado em janeiro de 2007, é dedicado à minha filha Flavia e sua luta pela vida. Flavia vive em coma vigil desde que, em 06 de janeiro de 1998, aos 10 anos de idade, teve seus cabelos sugados pelo sistema de sucção da piscina do prédio onde morávamos em Moema - São Paulo. O objetivo deste blog é alertar para o perigo existente nos ralos de piscinas e ser um meio de luta constante e incansável por uma Lei Federal a fim de tornar mais seguras as piscinas do Brasil.

Mais uma criança sugada por ralo de piscina. Os políticos não se importam.

- 29 de abril de 2016
Luisa Amado, de 7 anos, durante atendimento em
hospital (Foto: Marina Neri/Divulgação)

Por esses dias, uma menina de 7 anos, em Águas Claras, no Distrito Federal quase morre ao ter os cabelos sugados pelo ralo da piscina onde nadava. Felizmente Luisa teve mais sorte do que outras crianças. A noticia completa pode ser lida no site a seguir no  site do  G1

É vergonhoso que após tanto trabalho para colocar nas mãos dos políticos, o texto, já pronto,  da Lei Federal para Segurança nas Piscinas, ainda não tenhamos esta Lei em funcionamento no Brasil. VERGONHOSO.

Segurança nas Piscinas e o portão auto travante

- 21 de fevereiro de 2016


 Colocação de trava de segurança em portão já existente na piscina.

PORTÃO AUTO TRAVANTE NAS PISCINAS evita acidentes com crianças pequenas.

Neste início de ano de 2016 tenho lido sobre vários acidentes em piscinas, ocorridos com crianças pequenas que ao caírem na piscina, se afogam e morrem. É claro que os pais devem exercer vigilância constante com seus filhos pequenos, mas sabemos que uma distração pode ocorrer, distração essa que pode ser fatal. Para diminuir consideravelmente esse tipo de acidente, pode-se instalar no portão de acesso à piscina, a TRAVA DE SEGURANÇA a que torna o portão auto travante. Mas mesmo um portão já existente pode ser adaptado como mostram as fotos deste post.Cada caso deve ser estudado e analisado para saber qual a melhor forma de instalar a trava de de segurança, de forma que torne impossível uma criança pequena abrir o portão e ter acesso à piscina. Claro que esse é um trabalho que deve ser feito por empresas especializadas.Os dois senhores da foto são da empresa Alumigram aqui de São Paulo. Evite acidentes, cuide da segurança de sua piscina.

Menina de 4 anos presa ao ralo da piscina na Paraiba

- 17 de janeiro de 2016


Simulação
Foto obtida na Net e meramente ilustrativa


"Criança é resgatada por bombeiros após ficar  com o braço preso  em ralo de piscina

Menina ficou presa em cano de sucção e foi resgatada por bombeiros.
Segundo bombeiros, baixa profundidade da piscina evitou tragédia."


O ralo estava sem a tampa, evidenciando a falta de cuidado do local com os usuários da piscina.  O acidente ocorreu no dia 15 de janeiro  em João Pessoa, na Paraiba.


Fonte: G1

Em coma,18 anos depois de novo é 6 de janeiro, de novo é verão

- 6 de janeiro de 2016
DICAS DE SEGURANÇA EM PISCINA
 com Augusto Araújo, perito em segurança de piscinas

De novo é 6 de janeiro e de novo esta data me revive uma dor da qual jamais vou me livrar. O dia de hoje me traz dolorosas lembranças porque no dia 6 de janeiro de 1998, portanto, completando hoje 18 anos, vi minha filha ter a vida dolorosamente transformada só porque Flavia nadava em uma piscina, infelizmente, funcionando fora dos padrões de segurança. Flavia tinha 10 anos então. Hoje Flavia tem 28 anos, é uma moça de beleza suave mas segue vivendo em coma, com todas as limitações que o estado de coma impõe.

Nesses longos 18 anos, muitas outras crianças foram vítimas, a maioria fatal, desse tipo de acidente, sem que nenhuma providência concreta tenha sido tomada por parte dos políticos, para que tenhamos no Brasil uma Lei Federal para Segurança nas Piscinas, muito embora os políticos tenham recebido em mãos, o texto do Projeto, cuidadosamente redigido com a assessoria de peritos em segurança de piscinas. Muito embora, o projeto tenha sido aprovado por três comissões em Brasilia, acabou sendo barrado no Senado pelo Senador Dario Berger, segundo ele, por considerar o texto "excessivamente técnico", uma desculpa do Senador, certamente para justificar sua falta de interesse em aprovar uma Lei que se aplicada e fiscalizada, poderia salvar muitas vidas E as tragédias de afogamento nas piscinas do Brasil, seja por falta das cercas de proteção, seja pela sucção dos ralos, continuam acontecendo em diferentes locais de nosso país.

É vergonhoso continuar a presenciar nas piscinas do Brasil, tragédias anunciadas com crianças pequenas caindo em piscinas sem cercas de proteção, ou crianças maiores sendo sugadas pela sucção dos ralos, quando bastaria que os políticos trabalhassem no sentido de aprovar o projeto de lei, com eles sabe-se lá, se na gaveta ou sobre a mesa, há quase 5 anos. É vergonhoso.

É vergonhoso que nem mesmo o longo estado de coma de minha filha ou a morte de tantas crianças por afogamento nas piscinas do Brasil, tenha servido de exemplo e alerta para que os senhores políticos se mexam e aprovem o projeto da Lei de Seguranças nas Piscinas. 

Diante da falta de interesse e da inércia dos políticos, a única forma de evitar os acidentes por afogamento nas piscinas do Brasil é a conscientização dos pais do perigo existente em piscinas sem cercas de proteção e sem tampas anti aprisionamento para evitar a sucção dos ralos. E claro, cobrar dos proprietários e administradores de piscinas a segurança necessária para que as crianças possam brincar sem correr risco de nunca mais voltar de um mergulho.








Flavia, mais um aniversário sem ver proteção nas piscinas do Brasil

- 16 de dezembro de 2015
Fotos de algumas das crianças vítimas da sucçao dos ralos de piscinas
As fotos começam a ser repetidas aqui, mas a negligência com esse tipo de acidente também é.

Hoje é aniversário de Flavia, 28 anos, 18 dos quais vivendo em coma, desde que em 06 de janeiro de 1998, aos 10 anos de idade, minha filha teve os cabelos sugados por um ralo de piscina que funcionava fora dos padrões de segurança.

Vivendo à margem da vida. 18 anos em que minha filha vive sim, à margem da vida devido a um acidente que poderia ter sido evitado. Por falta de segurança na piscina onde nadava, Flavia perdeu parte da infância, toda a adolescência e está perdendo sua juventude. Flavia não pode continuar seus estudos, não teve festas de 15 anos, não foi às festas, não namorou, não se casou e nunca vai me dar netos. Flavia vive em coma.

Ao escrever e dar entrevistas sobre os acidentes causados pela sucção dos ralos de piscinas, minha ideia era alertar as pessoas e conscientizar as autoridades de que ralos de piscinas podem matar ou deixar uma pessoa em coma, e em assim sendo, urgente se faz termos uma Lei Federal para Segurança nas Piscinas. Uma Lei que obrigue proprietários e administradores de piscinas a terem instalados dispositivos de segurança que evitam a sucção dos ralos.

O texto, o conteúdo da Lei foi entregue pronto em Brasília, mas apesar de o Projeto da Lei Federal para Segurança nas Piscinas ter passado por três importantes comissões, o Projeto continua PARADO lá em Brasília, por falta de interesse público. Há sempre uma desculpa, o carnaval, a copa, as eleições, o final do ano, o recesso dos parlamentares.... E a Lei não sai do papel. E enquanto isso crianças continuam a morrer em piscinas sem segurança.

Sinto uma imensa frustração por ver que mesmo depois de tanta luta, o gravíssimo acidente ocorrido com minha filha e o longo e irreversível estado de coma de Flavia não serviu para sensibilizar os políticos da necessidade de uma Lei que possa evitar que outras crianças morram ou venham a ter o destino de Flavia.

Por tudo isso não há o que comemorar hoje, apenas lamentar. Por Flavia e por tantas outras crianças que perderam a vida em mergulhos sem volta.

Menina de seis anos, fica com o pezinho preso pela sucção da piscina

- 25 de outubro de 2015
Neste domingo dia 27 de setembro, na cidade de Melgar, na Colômbia, no Hotel Xilon uma menina de seis  anos teve o pezinho preso pela sucção do ralo da piscina  infantil onde a criança brincava. No momento do acidente não havia salva vidas no local e só foi possível liberar o pé da criança da sucção após o desligamento da bomba.

Leia o texto completo AQUI
"....El domingo 27 de septiembre, Ricardo, su esposa y su hija se encontraban disfrutando de las instalaciones del hotel, la menor, estaba en la piscina infanitl que no mide más de un metro de altura.
Cerca de las 12 del día, en esta piscina se escucharon gritos y llanto, el personal de mantenimiento del hotel encendió los succionadores de la piscina y uno de ellos aspiró el pie de la pequeña.
De un momento a otro nosotros estábamos ahí alrededor de la piscina, la señora madre está como a unos tres metros yo estaba más retirado y escuchamos gritar a la niña y nos vamos a auxiliarla y observamos que era un succionador que le estaba cogiendo el pie y gritamos todos desesperados. Nosotros a auxiliarla, se siente la impotencia más tremenda y la niña gritando del dolor“, explicó el padre de la niña."
Piscinas de hotel teria por obrigação ter salva vidas. A presença desse profissional poderia evitar acidentes, muitos deles fatais. Qualquer que seja a gravidade do acidente o local poderá ser acionado legalmente.

Meu e-mail para novo relator da Lei Federal para Segurança nas Piscinas

- 8 de outubro de 2015
Foto de algumas das crianças vitimas de acidentes nas piscinas do Brasil. Das crianças mostradas neste painel, apenas minha filha Flavia sobreviveu, e mesmo assim em coma vigil irreversível.

Como publiquei, no blog de Flavia, no Facebook e no Twitter o PL 71-2014 que trata da Lei Federal para Segurança nas Piscinas, há muito tempo em Brasilia e tendo já sido aprovado por três importantes comissões, está prestes a ser votado no Senado. O novo relator Dário Berger (PMDB-SC) sinalizou que vai votar pela REJEIÇÃO do Projeto.

Nas  tentativas que fiz de falar com o Senador por telefone, não consegui   êxito. Mas estive em contato com o Deputado Darcísio Perondi, (PMDB-RS)  primeiro relator deste projeto, que prometeu falar com o Senador, pedindo que ele vote pela APROVAÇÃO da Lei.

 No último dia 05 de outubro, enviei ao novo relator e-mail abaixo:

"Segunda-feira, 05 de outubro de 2015

Bom dia, Senador Dário Berger,

Sou Odele Souza, autora do blog Flavia, vivendo em coma, moro em São Paulo e sou mãe de Flavia Souza Belo,  uma moça hoje com 27 anos que vive em coma desde 06 de janeiro de 1998, portanto há quase 18 anos. Flavia era  uma menina alegre e saudável até os 10 anos de idade, quando nadando na piscina do condomínio onde morávamos em Moema , aqui em São Paulo, minha filha  teve os cabelos sugados pelo ralo da piscina. Foi resgatada com vida, mas desde então segue vivendo em coma.

Em Janeiro de 2014, quando ocorreram em diferentes estados brasileiros, três acidentes fatais pelo mesmo motivo – sucção dos ralos, o programa Fantástico da TV  Globo entrevistou os pais de uma das vítimas. Fui uma das entrevistadas. A matéria está  na lateral do blog de Flavia mas também neste link: Fantástico – janeiro de 2014

Sou uma forte defensora de que temos que ter uma Lei Federal para Segurança nas Piscinas, para evitar mais tragédias como a que deixou minha filha em coma e como as que temos visto ocorrer pelo Brasil afora, vitimando principalmente crianças. Li que o senhor pretende  votar pela Rejeição do PLC 71/2014, que trata da Segurança nas Piscinas. Senador, estive em Brasília em 2011, acompanhada de dois peritos em segurança em piscinas, o  senhor Augusto Araújo e o senhor Lawrence Doherty quando  entregamos em mãos do Deputado Darcísio Perondi, à época relator do Projeto, um texto cuidadosamente escrito incluindo os dispositivos de segurança que sabemos, se instalados em uma piscina,  vão evitar a sucção dos ralos e com isso evitar também a morte de muitas crianças.  É o mesmo texto que o senhor tem em mãos.

Embora o Brasil ainda não tenha  estatísticas apuradas, de acordo com a ANAPP – Associação  Nacional dos Fabricantes Construtores de Piscinas e Produtos Afins, “calcula-se que o número de mortes de crianças por afogamento em piscinas chega a 80 por ano e as que sobrevivem, porém com sequelas, por volta de 500.”  E de acordo com a Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático (Sobrasa), “as piscinas são responsáveis por 53% de todos os casos de óbitos por afogamento na faixa de 1 a 9 anos de idade. Muitos destes   provocados por bombas de sucção. Para evitar estes acidentes, os responsáveis pelas piscinas podem substituir a bomba por um sistema antiaspiração de cabelo e corpo e sempre que se utilizar a piscina deve manter a bomba desligada.”

Os acidentes  em piscinas são devastadores e  causam vítimas graves e fatais  por todo o mundo  constatando-se que esses acidentes ocorrem pela falta  da obrigatoriedade do uso de dispositivos como  por exemplo cercas de proteção, portões auto travantes (protegem  as crianças pequenas) e tampas anti aprisionamentos e sistemas de liberação de vácuo (proteção para crianças maiores).  A Lei de Segurança nas Piscinas já é uma realidade nos Estados Unidos e na Colômbia, com dispositivos idênticos aos que estão no texto do Projeto que o senhor tem em mãos.

O Blog de Flavia, é um site conhecido no Brasil e no exterior e através do blog de minha filha, desde 2007, venho tentando conseguir a aprovação  da Lei de  Segurança nas  piscinas do Brasil. O  link do blog está abaixo de minha assinatura eletrônica neste e-mail, mas também neste link: Flavia, vivendo em coma.

Senador, eu que tenho uma filha em coma irreversível por causa de um acidente ocorrido em uma piscina sem segurança, peço ao senhor que vote A FAVOR  da Lei Federal  para Segurança nas Piscinas. Vote pela APROVAÇÃO dessa Lei que certamente vai salvar a vida de muitas crianças, acredite. Vote pela  APROVAÇÃO, Senador  e SALVE VIDAS. Neste momento o senhor tem esse poder. SALVAR VIDAS.

Estou à sua disposição para conversar sobre este tema  nos telefones de contato que lhes forneço em anexo.

 Muito obrigada por sua atenção a este e-mail.

Atenciosamente,

ODELE SOUZA
Flavia Souza Belo (Facebook)
Segurança nas piscinas, esta é uma causa de todos nós"

Quem quiser escrever ao Senador pedindo pela APROVAÇAO da Lei Federal para Segurança nas Piscinas, o e-mail dele é este:

Nome do senador/relator: Dário Elias Berger
Gabinete: Senado Federal Anexo II Ala Teotônio Vilela Gabinete 26
Telefones: (61) 3303-5947 / 5951
FAX: (61) 3303-5955
E-mail: dario.berger@senador.leg.br
Assessora do Senador: Daniella Ribeiro Maia. drmaia@senado.gov.br 


Movimento pela APROVAÇÃO da Lei Federal para Segurança nas Piscinas

- 3 de outubro de 2015
Flavia Souza Belo, aos 10 anos, dois meses antes do acidente que lhe deixou vivendo para sempre, em coma e a tampa anti aprisionamento que certamente teria evitado o acidente.

Na próxima semana o relator Dário Berger, do Senado Federal vai votar pela REJEIÇÃO do PLC 71/2014 que disciplina sobre a SEGURANÇA NAS PISCINAS de todo o país. Esse Projeto, hoje com outra numeração, é o mesmo cujo texto entregamos em Brasilia em agosto de 2011, ao deputado Darcíso Perondi, cuja aprovação nos foi  prometida para aquele mesmo ano. AQUI.

Peço sua adesão para que juntos possamos agir pela APROVAÇÃO dessa Lei. Os acidentes em piscinas têm causado a morte de muitas crianças, principalmente pela sucção dos ralos. Minha filha Flavia é uma sobrevivente deste tipo de acidente e mesmo assim, com a grave sequela de coma vigil irreversível. Flavia vive em coma há quase 18 anos.

Não fique indiferente. Entre nesse movimento pela APROVAÇÃO DA LEI FEDERAL DE SEGURANÇA NAS PISCINAS, para que outras crianças não morram ou venham a viver em coma pela falta de segurança nas piscinas do Brasil.

Compartilhe este post  no seu Facebook, Twitter ou Blog. Convide seus amigos a compartilhar também. Envie e-mails para o Senador/relator pedindo para que ele vote pela APROVAÇÃO e não pela rejeição da Lei. Muitas vidas poderão ser salvas pela aplicação desta Lei que obriga  as piscinas a terem instalados dispositivos que vão evitar a sucção dos ralos.

No Twitter use a hastag: #Senador Dário Berger - SEGURANÇA NAS PISCINAS JÁ!

Seguem contatos do gabinete do senador:
Nome do senador/relator: Dário Elias Berger
Gabinete: Senado Federal Anexo II Ala Teotônio Vilela Gabinete 26
Telefones: (61) 3303-5947 / 5951
FAX: (61) 3303-5955
E-mail: dario.berger@senador.leg.br
Assessora do Senador: Daniella. drmaia@senado.gov.br 

Muito obrigada
Odele Souza

Segurança nas Piscinas é um direito de toda criança!

Segurança nas Piscinas - Um Brasil sem LEI?!

- 2 de outubro de 2015
Observação: Os projetos de Lei podem mudar de numeração  ao longo de sua tramitação. É o caso aqui. O Projeto de Lei Federal para Segurança nas Piscinas tinha inicialmente a numeração 1162/2007, no projeto de autoria de Mário Heringer. Passou depois a ser PL  7414/2010  de autoria do Dr.Rosinha e agora no Senado tem o número PLC 71/2014. Para evitar confusão, deve-se mencionar esta última numeração ou simplesmente Lei Federal para Segurança nas Piscinas.


"Em reunião na quarta-feira (30), a Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo (CDR) deve examinar o projeto de Lei da Câmara (PLC) 48/2014, que torna obrigatória a presença de salva-vidas em todos os estabelecimentos que explorem balneários ou outros locais aquáticos abertos ao público. A reunião tem início às 9h, na sala 7 da Ala Senador Alexandre Costa.

De autoria do deputado Vander Loubet (PT-MS), o projeto tramita em conjunto com o PLC 71/2014, que disciplina a prevenção de acidentes em piscinas. O voto do relator, Dário Berger (PMDB-SC), é pela rejeição do PLC 71/2014, de autoria do deputado Mário Heringer (PDT-MG), e pela aprovação do PLC 48/2014, com emenda que eliminou dispositivos excessivamente técnicos da proposição. A matéria seguirá à Comissão de Assuntos Sociais (CAS), em decisão terminativa.

Vander Loubet justifica a apresentação do projeto ao lembrar que, anualmente, entre 13 e 15 mil pessoas morrem afogadas no Brasil, mais que a soma de homicídios na Noruega, Grécia, Espanha, Canadá e Irlanda.
Espaços aquáticos

O projeto obriga a presença de profissionais salva-vidas em todos os estabelecimentos que explorem balneários ou outros espaços aquáticos de recreação ou prática desportiva abertos ao uso do público.

Os espaços privados de uso público deverão contratar profissionais salva-vidas, na proporção de um para cada grupo de 200 pessoas que frequentem a instalação aquática. Os requisitos de qualificação profissional dos salva-vidas serão os estabelecidos em regulamento.

Os estados, o Distrito Federal e os municípios regulamentarão a utilização e organização dos serviços de salva-vidas nos balneários e espaços aquáticos público de sua propriedade, ou cujo domínio lhe seja atribuído constitucionalmente, bem como naqueles situados em domínio da União.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado) "


Fonte: AQUI


Lamentável notícia. E teremos, infelizmente novas mortes de crianças que aprisionadas pela sucção dos ralos de piscinas, morrerão ou como minha filha Flavia,  viverão para sempre em coma. Lamentável notícia.

Quem quiser participar desta luta
Seguem contatos do gabinete do senador:
Nome civil: Dário Elias Berger
Gabinete: Senado Federal Anexo II Ala Teotônio Vilela Gabinete 26
Telefones: (61) 3303-5947 / 5951
FAX: (61) 3303-5955


A importância da Fisioterapia em pessoas acamadas

- 12 de setembro de 2015
Flavia em sua sessão diária de Fisioterapia

Um dos motivos de Flavia estar bem (sempre dentro do possível, claro) é que desde o acidente que lhe deixou em coma, ocorrido há quase 18 anos, ela faz fisioterapia diária. (menos aos domingos) Vejam como ela tem um bom alongamento e assim é tanto nas pernas quanto nos braços. Flavia tem uma boa musculatura e isso se deve principalmente à fisioterapia.

Quando a pessoa perde a mobilidade e fica acamada, a fisioterapia é indispensável a fim de evitar que os membros fiquem rígidos e atrofiados. Mas é preciso cuidado com a escolha dos profissionais, é preciso ver se aquele profissional tem o perfil adequado para trabalhar com o seu ente querido. Fazer fisioterapia em um homem por exemplo, deve ser diferente dos movimentos feitos em mulheres que têm estrutura física mais delicada. Sempre que possível, fique por perto, observe o fisioterapeuta trabalhando, opine (você tem esse direito) e se necessário for, troque o profissional. Não basta cuidar, é preciso cuidar bem.

Se não temos o poder de trazer de volta a saúde perfeita de nosso ente querido, esse poder está em nossas mãos, quando se trata de lhe proporcionar a melhor qualidade de vida possível. Para isso, uma boa dose de amor é fundamental. Cuidar com amor, é bem diferente de apenas cuidar.
Related Posts with Thumbnails