Este blog, criado em janeiro de 2007, é dedicado à minha filha Flavia e sua luta pela vida. Flavia vive em coma vigil desde que, em 06 de janeiro de 1998, aos 10 anos de idade, teve seus cabelos sugados pelo sistema de sucção da piscina do prédio onde morávamos em Moema - São Paulo. O objetivo deste blog é alertar para o perigo existente nos ralos de piscinas e ser um meio de luta constante e incansável por uma Lei Federal a fim de tornar mais seguras as piscinas do Brasil.

Cuidados com ralos de fundo em piscinas residenciais

- 18 de junho de 2020
FOTO: SODRAMAR

Pessoas podem achar que acidentes com ralos de piscinas ocorram   mais em piscinas publicas, essas instaladas em  clubes, hotéis, parques aquáticos, etc. mas é importante notar que as piscinas residenciais também oferecem grande perigo para os usuários, desde que não possuam os imprescindíveis dispositivos de segurança, como por exemplo, portões auto travantes e tampas anti aprisionamento u drenos antiturbilhão.

Verdade que as piscinas púbicas por terem bombas mais potentes, têm sim, maior capacidade de sucção, o que, exige do local onde estejam instaladas, constante supervisão dos responsáveis pelo funcionamento dessas piscinas. 

É muito importante notar que as  piscinas residencias têm causado grande número de acidentes pelo Brasil afora,  por isso é preciso estar atentos à condição de segurança da piscina de sua casa ou de seu condomínio.

E como as pessoas ficam presas nas piscinas?

CABELOS:

Por exemplo, pelo cabelos (que foi o que causou o estado de coma de minha filha)
As meninas, por terem os cabelos mais compridos, são as maiores vítimas. Os cabelos das meninas acabam por se emaranhar às engrenagens do ralos e a criança não consegue se desvencilhar, causando seu afogamento com graves sequelas ou mesmo a morte.

No próximo post falarei de outras partes do corpo que podem ficar presa ao ralo da piscina, causando acidentes graves ou fatais.

Fiquem atentos.




Criança é sugada por bomba de piscina no feriadão de Carnaval

- 1 de março de 2020
"O feriado prolongado de Carnaval de uma família que reside no Agreste alagoano por pouco não termina em tragédia. Uma criança foi sugada pela pressão da água da bomba de uma piscina em uma casa na Praia do Miaí, no Litoral Sul de Alagoas.

De acordo com relatos que circulam nas redes sociais, a família alugou a casa para passar o feriado de Carnaval. Porém, o homem que fez a tratamento da água da piscina não desligou o equipamento da bomba que faz a filtragem da água.

A família também não percebeu que o equipamento estava ligado e a criançada pulou na piscina para se refrescar do calor escaldante.

Uma das crianças identificada como Tales Francisco, de 9 anos, ao pular na água foi sugado pela pressão da água e ficou com o corpo grudado entre a parede e o buraco por onde é realizada a filtragem da água da piscina.

Um dos adultos que estava na casa de praia percebeu que o menino estava sugado pelo equipamento, e rapidamente pulou na água e retirou a criança. Enquanto isso, outra pessoa desligou a bomba.

Tales Francisco foi encaminhado à Unidade de Emergência do Agreste (HEA) com hematomas no tórax. Ele recebeu atendimento médico e foi liberado." 

Texto copiado na íntegra do site  7Segundos

Nos acidentes por sucção dos ralos das piscinas, nem sempre a criança consegue escapar, nem sempre a tragédia pode ser evitada. No caso de minha filha Flavia, ela não conseguiu se desvencilhar da forte sucção do ralo  e por isso  vive em coma vigil há mais de 22 anos. Que a tragédia ocorrida com Flavia sirva ao menos para conscientizar do quão perigosa pode ser uma piscina se estiver funcionado sem os indispensáveis dispositivos de segurança.

A norma 10.339-2018, da ABNT contém todos os dispositivos que se  devidamente instalados, vão tornar a piscina segura e não mais uma armadilha submersa. 

Tampa antiaprisionamento na piscina evita acidentes de sucção dos ralos.

- 10 de janeiro de 2020
Um item de segurança  fundamental para que a piscina não se torne uma armadilha submersa, é a tampa antiaprisionamento que evita a sucção dos ralos.

Para que sua piscina seja segura, siga a norma 10.339/2018, da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas.



Acidente de sucção ocorrido em ofurô

- 7 de janeiro de 2020
                         Foto e textos obtidos do Facebook de Ala Mitchell
" UM GRAVE ALERTA

Minha filha nasceu novamente hoje, dia 06 de janeiro de 2020.
Estamos de férias numa casa em Pipa/RN.
Ela estava com a irmã e o primo nesta mini piscina/ofurô quando o cabelo dela prendeu na entrada que suga a água. A cabeça colou na peça de rosca e ficou presa no fundo.

Todos gritavam e ela se debatia com as pernas para fora e a cabeça colada no fundo.
Minha esposa pulou e tentou puxar e não conseguiu e gritou... "Júnior ela está morrendo! "
Eu pulei na piscina e tentei tirar 03 vezes e simplesmente não soltava. Ela continuando a se debater.
Pensei numa faca mas resolvi puxar pela última vez antes de ir atrás da faca. Apoiei o joelho no degrau, reforcei a pegada no cabelo e Deus me deu uma força que eu não tinha ao ponto de rasgar meu joelho.
A peça de rosca quebrou e saiu junto com o cabelo dela.
Minha filha já estava em choque e minha esposa a segurou nos braços sem acreditar que ela ainda estava viva.
Meus Deus ainda estou em lágrimas lembrando da cena mais dolorida que já presenciei.
Minha Tita nasceu novamente! Ela está bem agora.

POR FAVOR AVISEM A TODOS QUE ISSO PODE OCORRER !
OBRIGADO DEUS POR NOS AJUDAR!"


Infelizmente, esse tipo de acidente continua ocorrendo pelo Brasil e pelo mundo afora. Enquanto não se tem o compromisso dos responsáveis por piscinas e ofurôs, a conscientização é ainda a melhor prevenção para evitar tragédias  como a que deixou minha filha Flavia, que há 22 anos vive em coma por um acidente de sucção do ralo da piscina onde nadava.

Piscinas e ofurôs devem ter a tampa anti aprisionamento. É um cuidado simples mas que podem evitar acidentes graves e fatais.

Related Posts with Thumbnails