Este blog, criado em janeiro de 2007, é dedicado à minha filha Flavia e sua luta pela vida. Flavia vive em coma vigil desde que, em 06 de janeiro de 1998, aos 10 anos de idade, teve seus cabelos sugados pelo sistema de sucção da piscina do prédio onde morávamos em Moema - São Paulo. O objetivo deste blog é alertar para o perigo existente nos ralos de piscinas e ser um meio de luta constante e incansável por uma Lei Federal a fim de tornar mais seguras as piscinas do Brasil.

Segurança nas piscinas: Orientação e informação adequadas podem salvar vidas

- 23 de fevereiro de 2009
Pelo que tem sido documentado e mostrado neste blog, os acidentes causados por ralos de piscinas são devastadores e têm feito muitas vítimas, a maioria vítimas fatais, notadamente crianças.

Nos nove anos em que o processo de Flavia ficou na justiça paulista, na segunda instância, infelizmente a ação foi julgada improcedente no que toca a responsabilidade da JACUZZI DO BRASIL, fabricante do sistema de sucção instalado na piscina que sugou os cabelos de Flavia. Segundo o Tribunal de São Paulo, a empresa Jacuzzi não teria o dever de informar aos consumidores os efeitos do equipamento superdimensionado. Tanto o condomíno quanto a Jacuzzi, em seus argumentos me co-responsabilizam pelo acidente com Flavia, por eu não estar próxima à minha filha no momento em que o ralo lhe sugou os cabelos. Infelizmente, os juizes que julgaram o processo de Flavia em segunda instância aqui em São Paulo, aceitaram esses argumentos dos réus e me co-responsabilizaram pelo acidente com minha filha. Os juizes de São Paulo, condenaram o condomínio mas julgaram improcedente a culpa da Jacuzzi. Lá em Brasilia, em última instância, tento tirar de mim a absurda co-responsabilidade que me foi atribuida pelo acidente e, além do Condomínio Jardim da Juriti, co-responsabilizar a empresa JACUZZI DO BRASIL pelo graves danos infligidos à Flavia - por falta de suficiente informação sobre a periculosidade de seu produto caso fosse instalado de forma inadequada, por exemplo, em desproporção com o tamanho da piscina.

No momento do acidente, além de Flavia, dentro da piscina estavam três adolescentes de 14 e 15 anos, que de costas para ela, não se deram conta que presa ao ralo pelos cabelos, Flavia se afogava atrás deles. Se o sistema de sucção estiver funcionando de forma irregular, não importa quantas pessoas estejam dentro da piscina, o acidente poderá ocorrer. Temos visto pelos acidentes causados por ralos de piscinas ocorrridos após o caso de Flavia e aqui documentados, todos com outras pessoas dentro da piscina além da vítima, que se o sistema de sucção da piscina estiver com problemas, basta a pessoa se aproximar do ralo para que em segundos, cabelos ou partes de seu corpo (braço, perna, intestino...) sejam sugados, não importando a presença de outras pessoas dentro da piscina. Estas, nem se aperceberão da tragédia acontecendo ao lado ou atrás de si, tamanha é a rapidez e a força com que a sucção ocorre, além do inusitado da situação. Digam-me por favor, antes de saber do caso de Flavia algum de vocês tinha consciência de que ralos de piscinas podem prender embaixo dágua, afogar, matar ou deixar pessoas em coma?!

Por isso é que defendo que os fabricantes de sistemas de sucção de piscinas, TÊM SIM a OBRIGAÇAO de alertar em seus manuais, folhetos e embalagens - de forma chamativa – em cores vibrantes e letras graúdas- sobre a periculosidade de seus produtos, caso venham a ser instalados de forma inadequada, por exemplo superdimensionados, como foi instalado o ralo que sugou os cabelos de Flavia, superdimensionamento este devidamente comprovado por perícia técnica anexada ao autos deste longo e penoso processo. Há mais de 10 anos Flavia espera por justiça.

Não será demais - nunca será demais - que os fabricantes de sistemas de sucção de piscinas tenham como prioridade informar aos seus clientes sobre o potencial risco de seus produtos, caso sejam instalados em desacordo com a orientação do fabricante. Essas Informações poderão significar a diferença entre a vida e a morte de uma pessoa.

Até o próximo post.

Meu nome não é Odete, como algumas pessoas escrevem nos comentários, é Odele, com L e não com T.
Obrigada.

15 comentários

  1. Amiga, sinceramente eu não sabia do perigo de um ralo de piscina mal dimensionado, antes de conhecer a história de Flavia. Acho importantíssima a sua luta por justiça e a sua preocupação constantes com outros possíveis acidentes.

    Grande beijo!

    ResponderExcluir
  2. Concordo contigo Odele, desde que eu soube sobre da sua história e Flávia, penso que é uma inrresponsabilidade do governo não cobrar qualquer tipo de aviso...

    Fique com Deusm menina Flávia e menina Odele.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. Mi querida Odele, sabía que son peligrosos los succionadores. Mis hijas han ido de pequeñas a natación, JAMÁS SE ME HUBIERA OCURRIDO PENSAR QUE LES PODÍA SUCCIONAR EL CABELLO!!!
    Así hubiera estado rodeada de 25 millones de personas adultas, el accidente le hubiera ocurrido igual a nuestra bella FLAVIA!!!
    Qué hacemos cuando ocurre tán rápido y el niño queda atrapado??? GRITAMOS, LLAMAMOS...pero en ese tiempo el niño puede morir o quedar con secuelas como la niña!!!
    Deben dejar de decir que no estabas al lado de ella, SI NO QUIEREN DECIR CULPABLES, PUES QUE DIGAN 'NO QUEREMOS DECIR QUE SOMOS CULPABLES' y ya.
    Sobre todo lo que ha tenido que pasar la niña, tu haciéndote cargo de todo...qué argumentos bochornosos tienen los jueces y abogados!!!
    Espero que alguien actúe con SENTIDO COMÚN...besitos y abracitos a las dos!!!

    ResponderExcluir
  4. Como já aqui tenho dito, estive ligado, mais de doze anos à natação de competição e visitei, por isso, dezenas de piscinas.
    Mas nunca me apercebi da verdadeira dimensão do perigo que os sistemas de sucção podem representar. Até porque, nas provas de natação, esses dispositivos eram desligados, desde o momento em que os nadadores entravam na piscina. Ficavam apenas a funcionar as chamadas caleiras ou seja, os canais de escoamento das águas que ficam nas paredes. Água essa que, depois de passar por sistemas de depuração, são de novo enviadas para o tanque.
    Mas, depois de ter conhecimento do acidente da Flavia e de ter lido os teus constantes alertas, fui-me informando e colhendo mais dados e ficando, por isso, mais por dentro do problema.
    E estou muito de acordo contigo. Os fabricantes das bombas de sucção, deveriam ser obrigados a ter manuais muito detalhados alertando para o uso indevido dos dispositivos. Assim como acontece com muitos equipamentos, inclusivamente electrodomésticos, que compramos para as nossas casas.
    Mas isso só não chega. Como já tenho também referido, os equipamentos de sucção deveriam ter dispositivos que automaticamente os desligassem logo que os sensores detectassem um corpo preso. Para além de os ralos terem uma grelha de protecção ou algo do género, que evitasse a aproximação desses corpos. E ainda, como também já aqui foi dito, haver nas piscinas letreiros e outras indicações que alertassem para a proximidade desses ralos.
    É claro que, a empresa fabricante da bomba e o condomínio, querem "sacudir a água do capote". Por isso recorreram a esse argumento da tua
    co-responsasbilização que, no mínímo é absurdo. Mas nós sabemos como os advogados, por vezes, são ardilosos, só para levarem a água ao seu moinho.
    Esperemos pois, que os juízes de Brasília, vejam, claro em todo este processo e façam, finalmente, JUSTIÇA!

    ResponderExcluir
  5. Odele.
    Poucas pessoas sabem dos perigos resultantes de ralos mal dimensionados, até porque, piscinas são anunciadas e vendidas para o lazer, sem se preocuparem em esclarecer o lado técnico, principalmente aos usuários.
    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Lá em Brasilia, em última instância, tento tirar de mim a absurda co-responsabilidade que me foi atribuida pelo acidente e, além do Condomínio Jardim da Juriti, co-responsabilizar a empresa JACUZZI DO BRASIL pelo graves danos impingidos à Flavia
    ...................
    e ACREDITA que esse peso ABSURDO que puseram em cima de ti, irá sair e a Jacuzzi será responsabilizada.

    Ainda hoje fui a uma piscina fingindo que me queria inscrever nas aulas de natação e hidro-ginástica. Pedi para ver as instalações e a dita piscina onde estavam duas aulas a decorrer: parte de pessoas de idade e na outra a pequenada.
    Falando com o responsável e como quem não quer a coisa, referi "o perigo da sucção dos ralos". Não minha senhora, é algo com que nos preocupamos e que cumprimos conforme a lei, para além dos dispositivos de segurança que temos, a sucção só é ligada quando não decorrem aulas, ou seja durante o período da noite e desliga-se sózinho, conferido pelos seguranças. Só funcionam as "caleiras" referidas pelo Peciscas.
    Também sei que é verdade o que o Peciscas diz quanto ao mesmo estar desligado em competições ou treinos de natação.
    Já é a quarta que faço e todos referem a "lei" e tenho que indagar se efectivamente já foi implementada pelo governo português.

    Mas...será que nas piscinas particulares - condomínios, casas, quintas etc, etc. farão o mesmo? Quando tiver um tempo irei fazer a fiscalização:) junto das empresas que vendem esses dispositivos e aqui perto há 2 fabricantes, e se os mesmo trazem todas as instruções!

    Nunca é demais AVISAR E ALERTAR porque mais vale prevenir do remediar.

    Força mulher e vamos ganhar esta causa.

    Beijos para ti e para a tua/nossa Flávia

    ResponderExcluir
  7. Olá
    Li a história da sua filha e tomei a liberdade de copiar o link da sua pagina e publicar no meu blog, espero q não se encomode, quero ajudar a divulgar a tragédia na vida de sua filha e o importane alerta q vc esta fazendo, e não acredito q vc é uma mãe relapsa, já assisti algumas reportagens sobre esse perigo e mesmo q vc tivesse ao lado dela dentro da piscina não seria facil de ajuda- la a sair, me parece q esse ralos tem uma força muito grande para saltar...
    o q é verdade é a injustiça q existe e para eles é muito comodo dizer isso de vc.
    Muita força para vc e q vc tenha muito sucesso no q esta fazendo e q vc obtenha justiça.
    Cátia

    ResponderExcluir
  8. Odele, meu pai era professor de Educação Física. Fui criada dentro de piscinas e NUNCA imaginei que um ralo pudesse causar tamanha destruição. NUNCA meu pai nos proibiu de chegar perto desses ralos, talvez, por não saber dos perigos que eles representavam. Só a partir do momento que conheci a história de Flavia, é que tive consciência dos perigos que rondam esses equipamentos.

    ResponderExcluir
  9. Odele! Continua lutando, pois a nossa justiça é lenta e muitas vezes injustas mas alguém vai ver que informações não passadas podem terminar em tragédias. Todos os equipamentos vendidos devem estar acompanhados de um manual de funcionamento-é obrigatório.
    Co-responsabilidade é uma forma de passarem a responsabilidade para ti e livrarem a GRANDE empresa Jacuzzi.
    Beijos no teu coração.

    ResponderExcluir
  10. É duro, amiga, a gente saber que muita gente ainda vai sofrer pelo descaso, pela irresponsabilidade dos fabricantes de sistemas de sucção de piscinas.

    Mais uma vez, cabe a pergunta: Até quando?

    beijinho

    ResponderExcluir
  11. olá, Odele, agradeço pela visita e fiquem com Deus. Forças para ti e para Flavia.

    ResponderExcluir
  12. Sabe Odele, sempre eu tenho a sensação que o povo brasileiro, quando vítima, correm o sério risco de virarem réus.... Só no Brasil mesmo.

    ResponderExcluir
  13. Ola Odele, eu jah havia visitado seu blog antes mas nao tinha deixado nenhum post. Me corta o coracao saber dessa tragedia, eu nunca tinha imaginado que isso pudesse acontecer em uma piscina. E acho sim que os fabricantes tem a responsabilidade de alertar os usuarios para estes perigos!
    Uma vida inocente...e agora ainda acusam voce? Que vergonha que eu tenho do meu pais:-(
    Obrigada pela coragem e perseveranca em lutar por justica nao so por Flavia mas para tambem para proteger outras pessoas de uma tragedia dessas.

    Fernanda

    ResponderExcluir
  14. Odele, que a tua luta seja reconhecida e que a justiça brasileira deixe de ser tão absurdamente injusta.

    Estava lendo alguns posts, e entrei também na página da Associação que você mencionou (de fabricantes de itens para piscina), mas não consegui encontrar uma explicação sobre o que devemos observar e mudar para que os filtros sejam seguros.

    Quero verificar se o da minha piscina está OK, e quero verificar o da academia de natação também, mas como saber se está dentro dos padrões corretos?

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails