Este blog, criado em janeiro de 2007, é dedicado à minha filha Flavia e sua luta pela vida. Flavia vive em coma vigil desde que, em 06 de janeiro de 1998, aos 10 anos de idade, teve seus cabelos sugados pelo sistema de sucção da piscina do prédio onde morávamos em Moema - São Paulo. O objetivo deste blog é alertar para o perigo existente nos ralos de piscinas e ser um meio de luta constante e incansável por uma Lei Federal a fim de tornar mais seguras as piscinas do Brasil.

Por que tarda a justiça para Flavia e para tantos brasileiros?

- 17 de julho de 2011
Imagem retirada deste post do blog For Ever Pemba, de Moçambique.

Após mais de 12 anos de batalha judicial para ver respeitados os direitos de minha filha, e tendo sido CONDENADO o Condomínio onde Flavia sofreu o acidente, até hoje a indenização de Flavia não foi paga. A condenação do condomínio Jardim da Juriti, pelo Superior Tribunal de Justiça em Brasília, ocorreu em março de 2009. Estamos em Julho de 2011. Mais de dois anos depois da sentença dada pela instância máxima da justiça em nosso país, a indenização a que eu e Flavia tivemos direito, ainda não nos foi paga.

Por que tarda a justiça para Flavia? Por que tarda a justiça para tantos brasileiros?

O excesso de processos, a burocracia, a falta de funcionários e juízes, a falta de informatização do sistema judiciário, dizem, seriam as causas para tanta lentidão de nossa justiça. Acrescente-se a isso o absurdo número de recursos que os réus, mesmo tendo sido condenados em última instância, continuam apresentando, com o objetivo claro de protelar o pagamento da indenização a que foram condenados a pagar. Sabem eles que mesmo incabíveis, os recursos serão analisados pelos juízes, e essa análise, sabem eles também, não é feita com a necessária celeridade. Enquanto isso as vítimas são duplamente punidas. Pela tragédia em si e pela falta de respeito aos seus direitos. Tem sido assim com Flavia, e assim é com muitos outros brasileiros. Uma justiça lenta já se configura numa justiça injusta.

A verdade é que quando o assunto é justiça, falta muito para nós brasileiros nos sentirmos protegidos. Mas que isso não seja motivo para não buscarmos a proteção da justiça. Que isso não seja motivo para nos entregarmos ao conformismo e deixar de lutar por nossos direitos ou pelo direito daqueles que dependem de nós. Que a dor pela tragédia que nos atingiu, que a decepção com a justiça que ainda não se fez, não nos tornem passivos. É preciso lutar. É preciso protestar. É preciso  exercer a nossa cidadania. Vamos em frente!
 
Até o próximo post.

Meu nome não é Odete, como algumas pessoas escrevem nos comentários, é Odele, com L e não com T.
Obrigada.

11 comentários

  1. Obrigado ODELE, pela atualização de um tema tão pertinente a toda a sociedade, focado já em 2008 e que continua desagradável e incomodamente em aberto... Triste realidade !!! Abraço grande.

    ResponderExcluir
  2. Odele, Às vezes fico receosa, com medo da justiça. Parece até que a palavra não condiz com as atitudes.
    12 anos de espera.
    Das dores não é a pior, mas é angustiante não ter seus direitos recebidos.
    Será que protelarão até a prescrição?
    Ou nesse caso, como já condenados, não ocorre prescrição?

    ResponderExcluir
  3. Vamos ficar alertas. Tentarei me lembrar nesse horário.
    Suely

    ResponderExcluir
  4. Por que tarda a justiça para os brasileiros. Por que tarda a justiça para os portugueses. Por que tarda a justiça em tantas partes do mundo ?
    São perguntas que nos inquietam e que não têm uma resposta imediata.
    Mas poderemos pensar que não há uma Justiça única. Há várias justiças, com vários pesos e várias medidas. Perante a Justiça, todos os cidadãos deveriam ser iguais. Mas não é isso que acontece.
    Quando se atingem interesses poderosos, logo aparecem os expedientes dilatórios que, conduzidos por advogados matreiros, que sabem aproveitar os alçapões judiciais, fazem demorar, até ao infinito, os processos, esperando, dessa forma, demover quem luta contra eles ou mesmo fazer prescrever o cumprimento de eventuais penas.
    Mas, concordo em absoluto contigo quando falas na necessidade de não nos conformarmos com este estado de coisas. Temos de denunciar, de pressionar, de lutar, para que a Justiça deixe de ser esta teia de burocracias e expedientes, para passar a ser, autênticamente, uma defesa dos direitos mais elementares de todos nós.
    Bem hajas, Odele, por nunca desistires dessa luta.

    ResponderExcluir
  5. É preciso lutar. É preciso protestar. É preciso exercer a nossa cidadania. Vamos em frente!
    ................
    é o que eu faço todos os dias e utilizando este "mundo de cabos" torro a paciência a toda a Justiça Brasileira e Portuguesa e já tenho obtido alguns frutos!

    Já lá vão uns anos que trabalhei com a justiça e as coisas eram um pouco mais céleres. Vieram outros governantes e moldaram-no ao seu jeito e a justiça portuguesa, já com todos as tecnologias modernas e informatização devida passou a ter rodas quadradas.
    Eleições e mudaram o cenário e

    Agora temos uma nova ministra que a conheci há muitos anos...e ACREDITO que ela irá separar o trigo do joio e pôr ordem na casa, dando escoamento a milhares de processos que aguardam decisões tão absurdas como referes.

    e ao teu grito ali em cima, acrescentaria o que eu faço...DENUNCIAR!

    Quanto a tua entrevista não a poderei ver porque estarei de SOS Avó, mas aguardo que tu ou outra pessoa consiga a gravação e aí terei o enorme prazer de te ouvir e rever:)

    FORÇA MULHER COM M GRANDE e mil beijos do lado de cá do oceano!

    ResponderExcluir
  6. Minha querida amiga,
    A justiça tarda, porque simplesmente ela não existe. Sinto-me revoltada com tamanha inoperância, este é daqueles casos que chega a dar volta ao estômago.

    Beijinho muito amigo para si e Flavinha.

    Ana Martins

    ResponderExcluir
  7. Olá, Odele. Eu já imaginava essa demora... sinto muito por você e por Flavia.

    Acho que não devemos desacreditar e nem baixar a cabeça quando estamos lidando com a Justiça. Acho que ela é um reflexo do que fazemos (ou não fazemos) para melhorar nossa sociedade.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  8. ...se deixarmos de acreditar,
    aí sim será o fim de nossos
    direitos, de nossos sonhos
    de viver num mundo JUSTO!

    deixo beijos às duas
    guerreiras exemplos
    de superação!

    fiquem com Deus!

    ResponderExcluir
  9. Odele e Flavinha,

    ...Para estar junto não é preciso
    estar perto, e sim do lado
    de dentro.

    Leonardo da Vinci

    Um Beijo Amigo!!

    ResponderExcluir
  10. Isabella Camargo21 julho, 2011

    Odele, me lembro de ver a reportagem do que aconteceu com a Flávia na época. Tinha exatamente a idade dela, e fiquei super atenta quando ia brincar em piscinas, na verdade, fiquei até com medo de entrar nelas por um tempo, e nunca mais me esqueci disso. A justiça no Brasil é uma lástima. O que aconteceu é irreversível, mas o mínimo que poderia ser feito com relação a isso era fazê-los sentir só um poquinho de aperto, que não vai se comparar ao que vc sofreu nem de longe. Infelizmente eles não cumprem isso. Continue persistente em sua batalha. Todas as informações que vc publica são de extrema importância para todos nós, coisas que muitas vezes não atentamos ou não sabemos. Obrigada e que Deus abençoe vc e sua filhinha querida. Rezo para que mesmo em coma, ela esteja vendo apenas luzes e coisas lindas.

    ResponderExcluir
  11. Oi Odele,
    A justiça tarda para Flávia, não só por excesso de processos, falta de funcionários, mas principalmente porque não há interesse. As dificuldades existem, mas o caso de Flávia é um absurdo, puro descaso, uma vergonha. Mas você é guerreira, continue lutando.

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails