Este blog, criado em janeiro de 2007, é dedicado à minha filha Flavia e sua luta pela vida. Flavia vive em coma vigil desde que, em 06 de janeiro de 1998, aos 10 anos de idade, teve seus cabelos sugados pelo sistema de sucção da piscina do prédio onde morávamos em Moema - São Paulo. O objetivo deste blog é alertar para o perigo existente nos ralos de piscinas e ser um meio de luta constante e incansável por uma Lei Federal a fim de tornar mais seguras as piscinas do Brasil.

Mães: Podemos não ser invencíveis, mas somos incansáveis.

- 4 de abril de 2010
Eu, entre meus filhos Flavia e Fernando. Ela, aos 9 anos, ele,  aos 13.

“... uma mãe é um vulcão, um furacão, uma enchente, uma tempestade, um terremoto. Uma mãe é invencível. Não há perda que ela não transforme em força. Não há passado que ela não emoldure e coloque na parede. Não há medo que a mantenha quieta por muito tempo”

Fonte: Livro Doidas e Santas de Martha Medeiros.

Gosto muito dos textos de Martha Medeiros. Do parágrafo acima, discordo apenas quando  ela diz que nós mães somos invencíveis. Que bom seria se assim fôssemos: Invencíveis. Mas infelizmente, invencíveis  não somos. Nossa invencibilidade esbarra em muitas coisas, mas principalmente na  burocracia, na lentidão e mesmo na falta de JUSTIÇA PARA TODOS  em nosso país.

Neste texto de Glória Perez,  - Teia, mãe coragem - escrito em 03 de março de 2009, Glória escreveu: “Essa semana perdemos a Teia. Mais uma de nós vai desse mundo sem conseguir ver a justiça ser feita!”.

Ao longo de muitos anos Teia, essa mãe mencionada por Glória Perez,  lutou por justiça por causa do assassinato de um filho. Morreu sem resposta. Teia foi vencida pelo descaso de nossa justiça que apesar de toda a sua luta, não lhe deu respostas para o assassinato de seu filho.

Miriam Brandão: 5 anos em 1992  – Minas Gerais. Sequestrada, asfixiada e queimada viva. Um dos assassinos, Welington Gontijo, teve sua pena extinta e  virou pastor evangélico.  O assassino virou pastor evangélico?! Pois que fizesse sua pregação religiosa  dentro da cadeia. Soltá-lo, extinguir sua pena, como foi feito,  é uma afronta à família de Miriam e a todos nós brasileiros. Não nos esqueçamos de  como disse Montesquieu,  uma injustiça feita a um é uma ameaça a todos nós. O vídeo mostrando o assassino da criança  Miriam Brandão, Welington Gontijo, hoje pastor evangélico,  pode ser visto AQUI.

Daniella Perez:   28.12.1992 - A filha de Glória  Perez foi brutalmente assassinada por Guilherme de Pádua e sua então mulher,  Paula Thomaz. (hoje Paula Nogueira de Peixoto).  Condenados, os dois cumpriram apenas 6,  dos 19 anos  da pena que lhes coube. Ele, também  virou evangélico e se escondendo atrás de uma bíblia, está livre, pregando o amor. 

Logo depois do assassinato de sua filha, Glória Perez foi incansável quando saiu buscando assinaturas para mudar nosso código penal e  incluir o homicídio qualificado em crime hediondo. Conseguiu, - sem  apoio de nenhum grande órgão de imprensa. Veja mais detalhes no ARQUIVO DANIELLA PEREZ, página criada por Glória.

As mães são incansáveis. Eu, que já tenho 61 anos,  há mais de 12,  luto para ver condenada a poderosa empresa JACUZZI DO BRASIL como co-responsável pelo acidente que deixou minha filha em coma vigil irreversível. Em última instância em Brasília, mesmo tendo conseguido que  um ministro de justiça  - Luis Felipe Salomão - concordasse comigo de que a empresa deveria sim ter sido condenada, a Jacuzzi, no  acidente causado à  Flavia, saiu ilibada de qualquer responsabilidade.

 "Vencido, o ministro Luis Felipe Salomão entendeu que a Jacuzzi deveria ser condenada porque os manuais não alertam sobre o risco de acidentes como o que aconteceu com Flávia. Somente relatam a potência adequada para cada tipo e tamanho de piscina. “Ao não alertar expressamente sobre o perigo de usar um equipamento inadequado, a fabricante se tornou responsável pelo acidente”, disse Salomão." Flavia, um caso trágico, uma sucessão de erros.

As mulheres aqui mencionadas,  são algumas das mães,  com filhos injustiçados que muitos conhecem, ou porque são figuras públicas, ou porque tiveram alguma mídia sobre as suas tragédias. Mas sabemos que existem muitas mães que apesar de viverem no mais completo anonimato, lutam,  de forma incansável,  por seus filhos. E não recebem apoio da justiça.

Mas as mães são incansáveis, por isso, até o último dia de minha vida, vou seguir lutando para ver respeitados os direitos de minha filha. Não importa aonde eu tenha que ir, nem contra quem eu tenha que lutar.

Mães: Podemos não ser invencíveis, mas somos incansáveis. Incansáveis.Até o próximo post.

Meu nome não é Odete, como algumas pessoas escrevem nos comentários, é Odele, com L e não com T.
Obrigada.

23 comentários

  1. Sublinho a grandeza deste texto.

    Um grande abraço para si e um beijinho para a Flávia.

    ResponderExcluir
  2. Um abraco apertado pra Flavinha, vc e Fernando. Que linda foto! Que nesta Pascoa vc encontre mais forcas pra sua invencibilidade. Que jamais o cansaco a derrube, Odele!

    ResponderExcluir
  3. Menina, as mães realmente são incansaveis, mas mesmo se permita um pouco de descanço neste dia, curta com todos o da tua família...

    E feliz páscoa, para ti e Flávia.

    Fique com Deus, menina Odele.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Li e reli com muita atenção "a grandeza deste teu texto" como diz o Observador.

    "Que bom seria se assim fôssemos: Invencíveis. Mas infelizmente, invencíveis não somos. Nossa invencibilidade esbarra em muitas coisas, mas principalmente na burocracia, na lentidão e mesmo na falta de JUSTIÇA PARA TODOS em nosso país."


    Sentindo cada palavra tua, e por ser mãe, sabes que concordo com Martha Medeiros e contigo porque somos de facto invencíveis e incansáveis...porque como tu, como as dos relatos e até anónimas e longe dos midia ao "não baixam os braços e continuam a lutar por justiça ou protecção dos seus filhos e sobretudo pela "queda desses criminosos que depois passam a vendedores da banha da cobra".

    Só o são quem pura e simplesmente "desiste"!!!

    Beijos para ti meu doce e para a tua/nossa Flavia

    ResponderExcluir
  5. Querida Odele,
    tal como o primeiro comentador, sublinho a grandeza deste texto. Há relatos aqui verdadeiramente arrepiantes, a justiça está muito aquém de cumprir o seu papel.

    Beijinhos para si e Flavinha e Fernando,
    Ana Martins

    ResponderExcluir
  6. As mães são feitas de outra matéria. Grande beijo, querida!

    ResponderExcluir
  7. Oi,vi a sua materia na revista, não lembro qual foi a editora.Mas me tocou muito e resolvir divulgar no blog espero que a Flavia melhore e força pra senhora.Fiquem com Deus.

    ResponderExcluir
  8. Difícil complementar alguma coisa em qualquer postagem daqui..estou sempre visitando,lendo e relendo,mas quase sempre saio com o silêncio falando por mim.
    O que dizer? Não tem palavra alguma que se encaixe.
    Porque deixar impune alguem que direta ou indiretamente apaga esses sorrisos lindos?
    A Flávia tá uma obra de arte nessa foto Odele! esse sorriso lindo de covinhas nas bochechas me deixa lesada..sem saber bem o que falar.. é um sorriso que encanta a quem olhar..tenho algumas fotos dela no meu computador,e até revelei uma,super linda em que ela tem exatamente 10 aninhos,cabelos soltos,e esse sorriso cheio de vida..e sempre que olho esse sorriso,sinto uma pontada no peito,ao pensar em sua perda diária...

    Beijo Odele,Beijo Flávia..

    ResponderExcluir
  9. Tens toda a razão: não somos invencíveis. Mas incansáveis, sim. Sem dúvida. Tu és o exemplo que eu conheço de mais perto. E tu és.
    Muitos beijos.

    ResponderExcluir
  10. querida amiga, seus filhos são lindos! vim aqui deixar à vocês um abraço e buscar um pouco da sua força de mãe e mulher...fiquem com Deus...beijão...

    ResponderExcluir
  11. Querida Odele,

    Que lindo retrato!!

    E suas palavras, Odele, são muito verdadeiras. Acompanho há muito tempo sua luta, afinal é uma luta de todos nós. Mas entendo qdo vc refere-se a não sermos invencíveis. Pois somos fortes e lutadoras, mas nem sempre compreendidas, respeitadas em seus direitos, como mãe, como cidadã, como brasileira...

    Um grande beijo de quem as tem no coração,

    Sheila

    ResponderExcluir
  12. Que foto linda, Odele!

    ResponderExcluir
  13. Odele, minha mae costumava dizer que SER MAE É NAO MORRER NUNCA. Pois até quando morre, ela nao esquece de zelar pelos seus.

    O melhor papel que tenho cumprido nesta vida, odele, é o DE SER MAE...O RESTO É PAPEL COADJUVANTE
    bjs e dias felzies

    ResponderExcluir
  14. Odele, que prazer enorme te receber no meu humilde blogzinho. Fico feliz que tenha passado por lá. Saiba que sempre divulgo sua historia para meus amigos, acho fantastico sua força e o exemplo de mãe que você é.
    Escrevi um post e coloquei o link do seu blog nele. Espero que quando tiver um tempinho de uma olhadinha. Você é mais que bem vinda no meu blog =]

    http://depalavraseatos.blogspot.com/2010/04/pequenos-anjos-e-suas-grandes.html

    Beijos pra você e para Flávia.

    ResponderExcluir
  15. Como diz um amigo acima ,após ler teus relatos a gente baixa a cabeça e fica a silenciar e pensar.
    -Onde estamos?Porque?Quem realmente somos?
    Nossa unica esperança é a certeza da impunidade divina.
    Esta sim não se deixa enganar e nem muito menos em prazo grande invalidar.
    Um dia vamos entender o que hoje ainda nos foge do raciocinio lógico , talvez embrutecido por uma materia densa.
    Quando deixar-mos no cabide da terra ,nossa vestimenta carnal ,aí sim muitas respostas teremos e talvez até entedemos ,as razões que levam os homens a tantos desatinos.
    Coragem na sua luta amiga ,pois isto é uma prova de resistencia e lembre-se que Deus só aposta nos que sabe que são capazes.
    Sua luta é pra GIGANTES e talvez por isso Deus colocou no teu caminho ,tamanha responsabilidade de tocar e retocar aos que ainda dormem na escuridão da ignorancia.
    Abraços fraternos

    ResponderExcluir
  16. Odele,
    passeando por um blog amigo (www.depalavraseatos.blogspot.com),dei de cara com a sua história e me comovi MUITO!
    Quantas crianças e quantas mães por aí, vivem em busca de uma justiça que NUNCA chega...
    Mesmo não a conhecendo, mesmo não conhecendo a Flávia, meu lado humano fala mais alto. Sou mulher, um dia, talvez, serei mãe e não me imagino numa situação como essa!
    Na medida do possível, farei o que for necessário para ajudá-la...
    Já divulguei no meu blog, na lateral... já assinei a petição e já estou seguindo-a!

    Força MULHER!
    Deus tem um propósito para TUDO isto! FÉ!

    Beijos ;*

    ResponderExcluir
  17. Oi Odele,

    Os casos que aqui relatas são revoltantes ...

    então vai-se para "pastor" e deixa-se de ser criminoso?

    fico sem palavras ...

    beijinhos

    ResponderExcluir
  18. As mães são como leoas. Protegem a todo momento seus filhos.
    Assim, amiga, você continua a caminhada com Flavinha.
    Beijos do coração!!!
    Elianinha.

    ResponderExcluir
  19. Como já concluímos em nossas conversas, "ser mãe é mais dor que amor".Mas acredito que é a missão de todas as mães, serem incansáveis.Grande abraço.

    ResponderExcluir
  20. Odele,torço sempre pra que o frio nao dificulte muito seus dias... Enquanto levo minha rotina, fico imaginando como é a sua. A gente vai desenvolvendo técnicas pra cada situaçao, ne?

    bjs
    Suely

    ResponderExcluir
  21. Tu, a Glória e outras mães que aqui citas podem ser aparentemente vencidas, mas, verdadeiramente, não o são.
    A justiça minúscula que ainda temos, pode, em dada altura, fazer transparecer uma derrota que é, afinal, um sinal de fraqueza, um adiamento de algo que, mais tarde ou nais cedo há-de ocorrer: o reconhecimento da injustiça e o ressarcimento de vítimas inocentes e desprotegidas.
    As mães incansáveis que tu, a Gloria e outras são, têm esse raro condão de contribuir, com o seu exemplo, para abrir brechas na aparentemente inexpugnável fortaleza do edifício jurídico que nos contempla com decisões tão absurdas como essa de libertar precocemente criminosos hediondos.
    A História da Humanidade regista exemplos de outras mulheres e homens que, durante a sua vida foram aparentemente vencidos mas, afinal, mais tarde, proclamaram bem alto a sua vitória. Nelson Mandela foi uma dessas personagens. Anne Frank foi outra. E muitas mais haveria a citar.
    Por isso, mulheres como tu, Gloria e muitas outras, são gente que não se vence, que não se ajoelha perante os poderosos, porque a sua vontade indomável continua sempre viva.

    ResponderExcluir
  22. Tens toda razão, Odele. As mães, como tu, são incansáveis. E por isso acabam servindo de norte para a humanidade. Um beijo comovido.

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails