Este blog, criado em janeiro de 2007, é dedicado à minha filha Flavia e sua luta pela vida. Flavia vive em coma vigil desde que, em 06 de janeiro de 1998, aos 10 anos de idade, teve seus cabelos sugados pelo sistema de sucção da piscina do prédio onde morávamos em Moema - São Paulo. O objetivo deste blog é alertar para o perigo existente nos ralos de piscinas e ser um meio de luta constante e incansável por uma Lei Federal a fim de tornar mais seguras as piscinas do Brasil.

Lenta, burocrática, injusta. Esta tem sido a nossa justiça

- 22 de janeiro de 2009
Imagem do autor do blog Adesenhar

No jornal Folha de São Paulo desta quarta feira, há uma matéria sobre a lentidão da justiça brasileira. (Reportagem de Felipe Seligman, da sucursal de Brasília) E menciona-se o caso do acidente ocorrido no Metrô de São Paulo, em Janeiro de 2007, que além dos danos materiais deixou sete mortos.

Dois anos depois desse grave acidente, as famílias que perderam parentes e aquelas que tiveram que deixar suas casas por conta das rachaduras causadas pelas obras do Metrô, ainda não foram indenizadas. Os processos movidos contra os responsáveis não tiveram sequer decisão em primeira instância.
“Dados inéditos sobre o judiciário brasileiro revelam que tramitavam 68,2 milhões de processos em 2007 , ou uma ação para cada três brasileiros. A grande quantidade, aliada a fatores como falta de planejamento, resulta no seguinte cenário: 60% dos casos não são analisados no ano em que são protocolados”- E segundo o secretário geral do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), Alvaro Ciarlini, a situação é “alarmante”.

Eu, mãe de Flavia que há mais de 10 anos luto na justiça para ver condenados os responsáveis pelo acidente que a deixou em coma, faço parte, infelizmente, dessa preocupante estatística de milhões de brasileiros que aguardam pela decisão de seus processos na justiça. Lentidão, burocracia, sentenças absurdas. Óbvio que é preocupante, claro que é alarmante.

E não só de lentidão vive a nossa justiça. De sentenças incompreensíveis também. Por exemplo. – eu já disse isto aqui , após cinco anos na justiça paulista, a juíza que cuidava do processo de Flavia decidiu que eu seria co-responsável pelo acidente .(!) Na verdade minha luta tem sido, além do condomínio que já foi responsabilizado, co-responsabilizar a empresa Jacuzzi, fabricante do ralo, por falta de suficientes informações em seu manual de instruções.

A propósito, transcrevo aqui, o comentário deixado hoje por este visitante do blog de Flavia: Henrique, obrigada por sua visita e comentário.

Henrique deixou um novo comentário sobre a sua postagem "MINHA LUTA CONTRA UM GIGANTE: JACUZZI DO BRASIL.": “Não tem cabimento a alegação de que a mãe foi relapsa ! Relapsa, ....,incompetente e injusta é a nossa vergonhosa "justiça" onde muito poucos se salvam! Em lugar nenhum do mundo seria permitido utilização de equipamento que pudesse causar um dano destes!!!Isto é que tem que ser questionado e não a presença da mãe !? A responsabilidade é sim da Jacuzzi.Mesmo que estivesse previsto no manual ela não esta eximida de culpa. Reafirmo que o equipamento é que não poderia ser comercializado por apresentar um enorme potencial de risco a vida humana como ficou evidenciado! Não desista de sua luta ,você por certo não esta sozinha. “

Um abraço a todos e até a próximo post.

Meu nome não é Odete, como algumas pessoas escrevem nos comentários, é Odele, com L e não com T.
Obrigada.

44 comentários

  1. Lenta e injusta também a justiça aqui. Não podemos calar o que achamos injusto e a luta continua. Infelizmente nunca sabemos se é aplicada justamente. Beijos para vocês, deste lado.

    ResponderExcluir
  2. Já tinha lido o comentário do Henrique e que subscrevo na integra.

    De facto todos sabemos que a lentidão da justiça brasileira e portuguesa é mais conhecida que cachaça já que quem governa está mais preocupado com o seu status do que o "status de um povo que aguarda por justiça", tal como tu, minha amiga do lado de lá do oceano, mas que jamais desistas e que todos continuemos de mãos dadas em torno da Flávia, apelando pela celeridade desse malvado processo.

    Portugal comparado com o BRasil é pequenino, mas em termos da celeridade processual, burocrático, recurso atrás de recurso numa queima de tempo, somos ambos de igual dimensão.

    Acredito que em Brasília e no Supremo as coisas sejam mais rápidas e nas minhas orações todos os dias peço que a "justiça dos homens pelos homens seja mais rápida" e todos os dias venho aqui com a esperança e numa força de um sorriso, espreitar, para um dia destes, dar de caras com o post que tanto anseias(amos) . FEZ-SE JUSTIÇA!

    Força mulher e mãe guerreira porque estamos todos a torcer por vocês.

    Beijos para ti e um em especial à Flávia

    ResponderExcluir
  3. Odele siempre paso a saludarte y dejarles un beso a las dos,..... mucha fuerza y FE EN DIOS, el puede tardar pero llega con la justicia.
    Te deseo paz, tranquilidad en medio de todo lo que pasas.
    Las quiero.............Vivi.

    ResponderExcluir
  4. Como já disseram a Paula e a Fatyly, aqui, também a justiça é irritantemente lenta e geradora de ...injustiça.
    Poderia citar dezenas de casos de que tenho conhecimento.
    Por exemplo, e porque referes um caso ocorrido por responsabilidade do Metro, aqui no Porto, há várias famílias a morar em pensões há anos, devido ao facto de as suas casas terem sido gravemente afectadas pelas obras de escavação de um túnel de uma das linhas daquele transporte público.
    Os meandros dos tribunais, com os mil e um expedientes que os advogados mais matreiros usam para adiar, protelar decisões e com isso proteger prevaricadores, aqui como aí, são "pão nosso de todos os dias".
    E as decisões dos tribunais, como muito bem dizes, quantas vezes são iníquas e absurdas. Algumas poderiam ser consideradas como anedotas se não fossem desabar sobre vidas de pessoas que vão sentir na pele e na alma a dôr da injustiça.
    Essa sentença que te considerou como co-responsável é um desses absurdos que ninguém de bom senso pode entender.
    Mas os juízes estão sempre protegidos por mantos legais que os pôem a coberto e os tornam quase inatingíveis. Têm sempre razão.
    No caso presente, a decisão é tão absurda quanto o seria não se condenarem fabricantes de produtos alimentares adulterados nem os retirar do mercado(como o recente exemplo do leite chinês adicionado com melamina), com o argumento de que as pessoas é que têm de ter cuidado em os não consumir e por isso, se ficassem doentes, a responsabilidade seria também sua.E quem fala em alimentos, fala em brinquedos perigosos, em máquinas defeituosas.
    Perante tudo isto, que nos resta fazer?
    Lutar, lutar, lutar.
    Quanto mais não seja para que se forme uma poderosa corrente de opinião pública que vá minando os bastiões aparentemente inexpugnáveis dos muros de injustiça que se erguem perante nós.
    E um bom exemplo da força dessas correntes de opinião, foi a recente eleição de Obama. Apesar das possíveis desilusões que possamos ter com o seu mandato, o simples facto de ele aparecer aos olhos do mundo como um agente de mudança e de esperança, mostra que, apesar de tudo, o mundo pode passar a ser melhor.

    ResponderExcluir
  5. Sempre sobra pra quem tem menos força. É mais fácil culpar vc, do que assumirem a responsabilidade.

    >_<'

    ResponderExcluir
  6. Odele
    Tenho orado por você pedindo aos Espíritos de Luz que a amparem e dêem forças para que vá até ao final de sua luta heróica. A sua vitória virá. Não perca a fé nisto. Bjs.

    ResponderExcluir
  7. Odele

    Subscrevo na íntegra o comentário do Henrique. A co-responsabilidade duma mãe em todo o percurso do filho começa no momento em que esta o dá à luz. Porque o novo ser pode sempre ter um acidente quando a mãe não está ao pé para o evitar. Deverá a mãe ser condenada por ter dado à luz e por não estar sempre so pé do filho? Pelos vistos sim.
    Recordo que quando o meu filho era bébé por vezes lhe mudava a fralda num sofá da sala que tinha por cima um grande quadro pregado na parede.
    Numa das vezes tinha eu acabado de lhe mudar a fralda e segurava-o ao colo quando o quadro caiu em cima do sofá. Um minuto antes e o meu filho teria apanhado com ele em cima e provavelmente morrido. E eu não sou negligente.
    Só que neste caso eu teria tido a culpa porque devia ter previsto que tal podia acontecer e não respeitei as normas de segurança.
    No caso da piscina a culpa também é de quem não proporcionou as condições de segurança com uma agravante em relação a mim e na situação que descrevo: é que os ralos da piscina fazem parte dum equipamento que tem normas que têm que ser respeitadas pois já se sabe à partida que da sua utilização resultam perigos.
    Os argumentos a que certas instituições recorrem para defenderem quem não merece ser defendido chegam a arripiar pelo indecoro.

    Abraço


    PS: Parabéns a Adesenhar. As imagens são o máximo.

    ResponderExcluir
  8. Querida amiga,
    como aliás já aqui foi dito em comentários anteriores, também a justiça em Portugal é demasiado lenta, e nem sempre tão justa quanto deveria ser.
    Em relação a casos de extrema gravidade como o de Flávia e outros, penso que a Justiça deveria ter prioridades, mas enfim digo eu, e se calhar outras pessoas como eu... Porque a Justiça parece não establecer as tais prioridades!

    Beijinhos,
    Ana Martins

    ResponderExcluir
  9. Fico chocada, horrorizada só de pensar que podem culpar uma mãe por um fato como este.

    ResponderExcluir
  10. Odele. Não vou expressar o que me vem á cabeça quando leio uma barbaridade como essa de co-responsabilizar você. É de última e continua sendo um absurdo este silêncio de Brasília.
    bj

    ResponderExcluir
  11. Odele, Gustes cuando pasa por Amanecer en La Habana uma recoger tu premio. Felicitaciones Zurama

    : D

    ResponderExcluir
  12. Odele es un mal común, las causas duermen en los juzgados de aquí...con nuestra Flavia yá es hora que trabajen!!!
    Tienen un MIMO en
    http://gracielaroth.blogspot.com/2009/01/dos-premios-mimos.html
    besitos + abrazos fuertes!!!

    ResponderExcluir
  13. E tudo foi dito...mas a justiça continua...surda ,cega, muda.
    Continuo contigo com a MAIOR FORÇA de sempre. Jinhos mtos.

    ResponderExcluir
  14. Maria Celeste23 janeiro, 2009

    Era realmente o que estava faltando. Abraços

    ResponderExcluir
  15. Olá amiga obrigado pelas suas palavras no meu blogue.

    Agora a mãe é que é a culpada? será que há justiça, se´rá que estes "justiceiros" não têm vergonha na cara, em que mundo vivemos?

    Agora analisem bem, Flávia tinha anos, estava sozinha e se a Odele estava? Ia mudar alguma coisa, não.

    Caso Maddy que é tão recente, quase 3 anos mais os 2 gemeos de meses ficam no quarto sozinhos enquanto os pais foram jantar e a culpa não é dos pais.

    É este o nosso mundo com duas caras, o dinheiro e a posição na sociedade falam sempre mais alto.

    Nada mais a dizer.

    Um bom fim de semana para si e um enorme beijo carinhoso para Flávia.

    ResponderExcluir
  16. Minha querida...

    Passo para te desejar um bom fim de semana e te dizer que no Domingo a noite estrei fazendo um post para Flávia...Com toda certeza passarei aqui para avisa-la.O amigo do comentario acima está certo.Vc com toda a certeza não está só.

    Beijo em vc e outro especial na Flavinha.

    Crika

    ResponderExcluir
  17. Odele, é sem explicação essa atitude de quererem te culpar. Isso não existe!

    A justiça é lenta em todos os níveis e sem querer fazer uma comparação, pq não tem como, tu sabes que arrombaram a minha casa dia 1º de dezembro. Pois eu sei, a polícia sabe, todo o mundo sabe quem comprou meu computador, mas o juiz ainda não assinou a autorização para a polícia poder agir.

    Isso é o Brasil!

    Bom fim de semana pra vocês.
    Bjim pra ti e pra Flavinha.

    ResponderExcluir
  18. Odele querida, é triste dizer "se fosse o caso Flavia filha de grandões", certamente estaria resolvido. Qual o motivo de sentenças rápidas como Dado e Luanna Piovanni serem tão ágeis perante a justiça? É realmente "alarmante"!
    Amiga, como diz Henrique, você não está só, tenha certeza.
    Abraços tamanho do céu.
    Eliana
    mariaortizdamiao@superig.com.br

    ResponderExcluir
  19. Odele querida, é triste dizer "se fosse o caso Flavia filha de grandões", certamente estaria resolvido. Qual o motivo de sentenças rápidas como Dado e Luanna Piovanni serem tão ágeis perante a justiça? É realmente "alarmante"!
    Amiga, como diz Henrique, você não está só, tenha certeza.
    Abraços tamanho do céu.
    Eliana
    mariaortizdamiao@superig.com.br

    ResponderExcluir
  20. Odele não é preciso repetir porque já foi dito tudo! Os desenhos estão muito giros! E quanto ao prémio claro que é para a tua Flávia ou, neste caso, é para ti! Sei que o link não abre. Nem o teu nem o da são...desculpa, sim? Beijinhos querida...

    ResponderExcluir
  21. Odele,
    ...que dizer disto tudo?
    Será que eles andam a dormir? Pedrados?
    Bem...e não resultaria fazermos todos uma petição online para vc apresentar lá?
    Para pedirmos justiça e que se responsabilize quem o é e não começarem a sacudir a "água do capote" atirando parte da culpa para a mãe.
    Nem sei que mais diga.
    FORÇA!
    Beijinhos para as duas.

    ResponderExcluir
  22. Odele
    Que vergonha a deste mundo em que para se ilibar os ricos e poderosos se acusa uma mãe extremosa de não ter estado junto da filha no momento exacto do acidente.
    Mas a menina afogou-se por não saber nadar? Não! A menina nadava como um peixe junto a um ralo traiçoeiro da piscina do seu condominio. Se o ralo respeitasse as normas de segurança o acidente não teria ocorrido.
    Qual a lógica desta acusação? A lógica é apenas uma: atirar poeira para olhos já cansados de apanharem areia na travessia deste deserto em que se procura beber duma justiça que parece ser miragem.
    Não desistas, amiga. Chora no meu ombro mas não desistas.

    Abraço

    ResponderExcluir
  23. Olá amigas!
    Eu já nem sei se ao falarmos em justiça não estaremos a pecar.
    "justiça" talvez!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  24. Odele
    Não podia Falar de MULHERES especiais sem me referir a ti. O prémio que tenho no Silêncio não tens que trazer. Rlr é a voz de todos os que estão contigo e que já são muitos e que não cedem ao desânimo e ao cansaço.
    O prémio Odele é a Justiça que reponha no lugar o que há a ser reposto para que não sintamos este vazio de morte quando dependemos de leis e tribunais que estão longe de possuir uma face humana.


    Abraço

    ResponderExcluir
  25. Também tenho um miminho no Criancices, Odele.
    Abraço além-mar, RS.

    ResponderExcluir
  26. Com relação à lentidão da justiça brasileira, quero dizer que faz falta o Tarso Genro lá pois, como ele mesmo disse, leu todo o processo do suposto criminoso italiano que sofre sobre ís um oedido de extradição em apenas 15 dias, em suas ferias e, o referido processo tem nada mais nada menos que 13 volumes. Quem sabe o Tarso lá nao resolve logo o caso????

    Se me permite, um beijão de final de semana amiga e já fui visitar a ANITA e deixei minha modesta contribuição...

    ResponderExcluir
  27. Até quando?

    :|


    nota:dá um salto ao meu actual esquisso.

    ResponderExcluir
  28. Odele
    È dificil dizer o nome "justiça".No Brasil em Portugal a "justiça" além de cega é surda e muda.Tudo já foi dito nos blogges anteriores.
    Envio daqui a minha solidariedade para voçes,nunca desista.muita força
    E um abraço tamanho do Universo e mais além.

    ResponderExcluir
  29. Aqui a justiça também funciona assim. Em camara lenta.
    Um abraço.

    A margem, a saúde debilitada de meus pais, ele internado no hospital onde foi amputado a uma perna, ela em casa, mas totalmente dependente, teem-me impedido de visitar os amigos virtuais e reais.

    ResponderExcluir
  30. Odele

    A justica e uma palavra que perdeu o significado no Brasil e no mundo tambem.

    Um vergonha, falta de amor ao proximo.

    Mas, ela sera feita pra Flavia, continue, estamos com vc.

    Beijinhos e boa semana para vcs duas.

    ResponderExcluir
  31. Sempre acompanhamos seu blog, e quando lemos os textos abaixos lembramos de sua luta, deixamos aki os textos biblicos e esperamos que vc leia:

    SALMOS 37:25
    ISAIAS 33:24
    PROV 35:5,6
    SALMOS 55:22-23

    Somos torcedora sua e da sua filha, já te linkamos (seguidores).

    Quando puder de uma passada no nosso blog.

    Bjs.

    BEL, DEIA E JÊ

    ResponderExcluir
  32. Justiça lenta é quase sempre ausência de Justiça. Cá como aí temos o mesmo flagelo.
    Voltei à blogosfera depois de uma pausa por causa dos estudos, que continuam, e aproveito para vos desejar uma boa semana.
    Abraço do Zé

    ResponderExcluir
  33. A injustiça da justiça, e não é só no Brasil que isto acontece. A morosidade dos processos e os recursos interpostos pelos advogados que pagos a peso de ouro pelos poderosos culpados, perpetuam a dor aumentando-a em cada diligência cujo objectivo não é outro do que ganhar tempo e derrotar as vitimas pelo cansaço e pelo desespero. Seria justo que houvesse uma condenação exemplar não só para o crime, mas também pelas manobras evasivas para a morosidade no encontro de uma solução, que por si mesmas são novos crimes contra vitimas inocentes.Uma ferida tratada a tempo cura-se embora não seja esquecida.Contudo se não tratarmos dela a tempo e constantemente andarmos a mexer sem cuidar da mesma ela vai-se tornar numa chaga imensa, impossivel de curar.
    Uma justiça cega que não considera o sofrimento humano e que não actua de imediato é semelhante à ferida não tratada que se alastra a cada dia que passa e causa um enorme sofrimento. A revolta instala-se em todas as pessoas sensiveis e gritaremos com todas as nossas forças até que a voz nos doa : BASTA, É TEMPO DE ACABAR COM ESTA VERGONHA.

    ResponderExcluir
  34. olá Odete

    Acabei chegando ao seu blog, através do blog da Gloria Perez, e fiquei sensibilizada com o caso da Flavia.

    Eu lí bastante e não consigo ficar alheia ao fato, me junto a vcs nessa luta pela tão lenta, cego e surda justiça brasileira.

    Que Deus te proteja e te faça forte pra não desistir da luta!!!

    Deixei um presente pra Flávia lá no meu blog, agora vc ganhou mais uma amiga, e estarei ao seu dispor qdo precisar de um ombro amigo.

    Deixo aquí uma bjoka carinhosa pra vc dividir com a Flavia.

    Edna

    ResponderExcluir
  35. olá Odele


    fico feliz por ter aceito a minha amizade, já corrigi o seu nome lá.

    mais um abraço pra vc e Flavia
    Edna

    ResponderExcluir
  36. Querida amiga, já comentei no espaço que me envias-te, sobre a lentidão da Justiça Brasileira. Passei aqui para vos deixar aquele beijinho, português, daqui deste lado do atlântico.

    Beezz

    ResponderExcluir
  37. Claro que não está sozinha. Mas a lentidão é desmoralizante...
    Beijos.

    ResponderExcluir
  38. Odele,
    Já conhecia seu blog dedicado à Flávia. Sou mãe e me sinto sensibilizada a cada linha que leio aqui. Posso imaginar o tamanho de sua dor ao ver sua filha nessa situação e sua indignação diante tanto descaso da justiça.
    Um grande abraço
    Renata

    ResponderExcluir
  39. LA JUSTICIA TARDA PERO LLEGA, ASI QUE SIGUE ADELANTE Y CONFIA SIEMPRE EN DIOS QUE EL NO TE ABANDONARA NUNCA Y EL YA ESTA HACIENDO JUSTICIA...

    MIGUEL CONTRERAS
    PAPA DE ANITA

    ResponderExcluir
  40. O problema é que as pessoas mesmo q inconcientes nao percebem que ajudam esse tipo de pessoa (pessoa responsaveis por esses danos absurdos). Vejam meu ponto de vista: Eu nao voo em avioes que sofreram acidentes e estes nao indenizaram as familias das vitimas. Não usaria pedagios cobrados abusivamente se todos nao usassem. Nao nadaria em um clube particular ou publico se soubesse que havia acontecido um fato como esse. Se ninguem mais frequentasse, ou voasse, a empresa nao poderia mais atuar...ou ajuda, ou cai fora.
    Penso assim, e so existe essa forma de comabater esa impunidade.
    Besos.

    ResponderExcluir
  41. Odele

    Estou acompanhando.

    Um forte abraço

    secreto segredo

    ResponderExcluir
  42. Boa noite Odele,

    Ficamos felizes em receber sua visita no nosso blog, e mtto felizes mesmo em saber que agora vc é seguidora do nosso blog.

    Estamos passandu pra agradecer e lhe desejar uma boa semana.

    Deia, Je e Bel

    ResponderExcluir
  43. Em Portugal, Lisboa, também aconteceu o mesmo num Parque Aquático e a criança faleceu mas o Governo de então encerrou definitivamente as instalações por ter comprovado a existência de outros problemas locais. Os pais viram, de alguma forma, reconhecida a sua razão e foram indemnizados após o processo ter decorrido em tribunal mas evidentemente que o sofrimento e dor dessa ausência forçada ninguém o conseguiu evitar.
    Desejo que continue a ter muita força e coragem para ultrapassar a vossa grande luta e dor. Deus é Grande e certamente vos compensará de alguma maneira...

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails