Este blog, criado em janeiro de 2007, é dedicado à minha filha Flavia e sua luta pela vida. Flavia vive em coma vigil desde que, em 06 de janeiro de 1998, aos 10 anos de idade, teve seus cabelos sugados pelo sistema de sucção da piscina do prédio onde morávamos em Moema - São Paulo. O objetivo deste blog é alertar para o perigo existente nos ralos de piscinas e ser um meio de luta constante e incansável por uma Lei Federal a fim de tornar mais seguras as piscinas do Brasil.

DE VOLTA À UTI.

- 3 de maio de 2007
Final de Julho e início de Agosto de 1998. A gastrostomia indicada para Flavia, foi realizada, mas houve complicações. O procedimento que deveria ser simples, passou longe disso. Dois dias após a cirurgia, do orifício feito em seu estômago começou a sair um líquido ácido que lhe queimava a pele ao redor. A barriguinha, muito dilatada me fazia ver que algo estava errado. Um médico veio conversar comigo e explicou que após realizarem radiografias, constataram que os pontos internos da cirurgia haviam se rompido, e que Flavia teria que ser novamente operada e com urgência. Apavorei-me. Pedi um tempo, o suficiente para conversar com o pediatra dela e pedir indicação de um gastroclínico conhecido. O médico à minha frente, respondeu que não havia tempo para eu consultar nenhum outro profissional, pois Flavia teria que ser imediatamente operada, e eu, sentindo-me a mais impotente das criaturas, deixei que a levassem para a sala de cirurgia, de onde ela voltou com um corte de 20 cm na barriga por onde “consertaram” a cirurgia anterior - que deveria ter sido simples. Por conta dessa segunda cirurgia, Flavia voltou para a UTI. Foi um baque para mim que contava os dias para sair com ela do hospital.

Meu amigo Mário, do blog Aromas de Portugal , deixou um comentário no post do dia 26 de Abril (Botox e Gastrostomia) em que falo de minha expectativa em voltar com Flavia pra casa. Mário me pergunta:

- Essa ida para casa é do seu agrado?

Era sim Mário, era muito de meu agrado. Já estávamos naquele hospital desde o dia 06 de Janeiro. Caminhávamos para completar oito meses de internação. Eu desejava muito encerrar aquela rotina no hospital e iniciar uma nova fase com Flavia em casa, num ambiente mais aconchegante. Eu acreditava que mesmo inconsciente Flavia deveria estar sentindo falta de suas bonecas, de seu quarto, de sua casa. Todos sabemos como é bom voltar para casa depois de uma longa ausência, quem viaja muito sabe disso. Imaginei que Flavia poderia estar cansada de sua "viagem" e ansiosa para regressar ao lar. Infelizmente, ainda não seria desta vez. Infelizmente ainda teríamos que esperar.

Meu nome não é Odete, como algumas pessoas escrevem nos comentários, é Odele, com L e não com T.
Obrigada.

14 comentários

  1. ... bem desagradável e pelos vistos perigoso esse contratempo ... mas que certamente foi ultrapassado...


    beijinhos e bom fim de semana para todos vós Odele

    ResponderExcluir
  2. Penso tambem que Flavia em casa estara bem melhor...
    Um excelente final de semana para ti querida.
    Big Kiss

    ResponderExcluir
  3. Antes de mais, queria mandar milhões de beijinhos para a FLÀVIA.

    Depois dizer-lhe a si, Odele, não desista, lute, e se de apoio precisar, nós cá estaremos.

    Por outro lado, há uma história, bem recente em Portugal, passada no ano de 1993, em junho ou julho, não sei precisar, de algo parecido, com o acontecido com a FLÁVIA, mas desta feita, num AQUAPARQUE, em que o desfecho foi muitos anos depois, creio que 10 anos depois. Vou procurar informação sobre esse caso, pois vivi de perto, estava eu nessa altura no serviço Militar em Lisboa, qaundo o Pai do menino acidentado apareceu no Qaurtel a pedir ajuda (pois este qaurtel situa-se nas traseiras desse aquaparque), mobilizamo-nos, junto com a GNR, e vasculha-mos toda a mata envolvente, de fio a pavio, acambando madrugada dentro sem respostas, 2 dias depois, apareceu o corpo do menino na tubagem de sucção da psicina desse aquaparque.

    Como? Porquê?

    Por NIGLIGÊNCIA!!!

    Vou contar o que sei, e o que assisti, poderá ser de grande utilidade para si.

    Abraços do Beezz, e à FLÁVIA, as rápidas melhoras, e milhões de beijos.

    ResponderExcluir
  4. Um excelente sabado para ti querida amiga.
    Big Kiss

    ResponderExcluir
  5. Às vezes, aos médicos também as coisas não correm bem. Mas eu creio que, algumas dessas coisas que não correm bem, poderiam ser evitadas, ou pelo menos minimizadas, com um pouco mais de cuidado.

    A ti, Odele, que és mãe, desejo que o teu DIA DA MÃE, seja de paz.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  6. Ainda bem que os médicos rectificaram a tempo essa infecção.

    Também acredito que, mesmo em coma, Flávia sinta a sua casa.

    Bom dia da mãe.
    Uma boa semana

    ResponderExcluir
  7. Menssageiro05 maio, 2007

    Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  8. Passadinha para desejar um excelente domingo para ti querida Odele.
    Big Kiss

    ResponderExcluir
  9. Um excelente inicio de semana para ti querida.
    Big Kiss

    ResponderExcluir
  10. Querida Odele, quando fiz essa pergunta foi no sentido da sua interrogação sobre o melhor para tratar a Flavia e não sobre a vontade de ter a nossa menina de volta a casa.

    Sei que a vontade é ter sempre os nossos em casa.
    Apenas se a ida para casa tinha sido um acordo médico/mãe e com todo o apoio médico necessário á evolução da Flavia.

    Vejo que sim e dou-lhe os parabéns pela sua luta sentida.

    Força Odele/Flavia!

    bjs

    Mário

    ResponderExcluir
  11. Ainda bem que deu tudo certo... apesar do problema,,,
    Isso foi erro médico ou já existia essa possibilidade?

    ResponderExcluir
  12. Beezz,
    Obrigada por seu comentário.
    Interessa-me muito saber desses casos ocorridos em outros países. Sempre que me for possível, quero usá-los no blog de Flavia para mostrar que o acidente que ocorreu com ela não é um caso isolado e que outras pessoas continuam a correr o risco de sofrerem danos dos mais simples aos mais graves, causados por situações irregulares em ralos de piscinas.

    ResponderExcluir
  13. Mário,
    Sim, a ida de Flavia para casa foi uma decisão conjunta com o neurologista dela, Dr.Fernando Arita. Apesar de minha vontade de ter Flavia novamente em casa, caso o médico não concordasse eu certamente aceitaria a decisão dele.

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails